Páginas: [1]   Ir para o fundo
Imprimir
Autor Tópico: O autocaravanismo na VISÃO (curta)  (Lida 5702 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Matias
Visitante
« Responder #19 em: 12 Mai 2007, 14:33 »

Caro Companheiro mcouto,

Esta semana estive bastante ocupado, pelo que só agora tive possibilidade de ler o seu post, e tenho de tecer um pequeno comentário.

O acertivismo é impossível de atingir, a empatia já você, conscientemente ou não, a utiliza, quanto à escuta teriamos que analisar com contraditório mas no essencial os seus principios são de louvar, dou-lhe os meus parabéns, poderá ser que um dia destes tenhamos a possibilidade de pessoalmente trocar impressões, até lá eu vou escrevendo umas criticas e elogios, uns podem gostar outros não, mas agradar a todos ninguém até hoje conseguiu, pelo menos não entendem a sinceridade e lealdade com que no momento é necessário analisar e mais tarde já o sentido é outro.
De uma coisa tenho a certeza absoluta, nunca terei necessidade de pedir desculpas a alguém.

Matias
Registado
mcouto
Visitante
« Responder #18 em: 07 Mai 2007, 14:54 »

Muito bem,

Perante alguma confusão que tende em generalizar-se por aqui e que já percebi não está a ser dirigida para aquilo que convem aos autocaravanistas, sendo que aos autocaravanistas o que interessa é que um clube  com estatutos e representatividade dos seus associados possa trabalhar no sentido de em várias frentes (autarquias, comunicação social, politicas, empresas, etc.) defender as melhores condições para a prática do autocaravanismo em Portugal.

Assim sem me dirigir a ninguem em particular mas a titulo de pensamento geral gostava de expor os seguintes pontos:
 
1 - Numa coisa todos me darão razão, pelo menos quem se preocupa com o autocaravanismo como forma de vida:
Não é enfraquecendo nem desacreditando o CPA (ou os seus elementos) que estaremos a melhorar as nossas condições.
O CPA é unico clube em Portugal especificamente criado para a actividade autocaravanistica, tem estatutos próprios e representatividade o que lhe permite representar, mediar e reivindicar perante orgão publicos e privados assuntos relacionados com o autocaravanismo.

Se um sócio do CPA resolve «entregar o seu cartão de sócio» porque discorda das politicas seguidas pelo CPA deve, na minha opinião, pautado pela educação, bom senso e disciplina, em primeiro lugar mostrar o seu desacordo dirigindo-se em particular aos elementos da direcção desse clube de forma salutar e construtiva do seu ponto de vista e «negociar»  os seus pontos de divergência.
Se ainda assim não ficar satisfeito e achar que o clube diverge nos objectivos demasiadamente em relação ao seu ponto de vista pessoal, deve respeitar-se a sua atitude de sair do clube mas é-lhe exigido que respeite todos os outros que também não partilham o seu ponto de vista. Afinal vivemos numa sociedade democrática de diversidade nas ideias e pontos de vista.

Exprimir de forma pública e usando outros instrumentos de divulgação de sua propriedade para difamar ou mesmo incitar a que outros facam o mesmo, desculpem, mas está a prejudicar todos aqueles que acreditam num clube credivel e que tem obra visivel feita e a entrar em rota de colisão com todos esses que acreditam e formam a massa associativa desse clube. Nunca poderia pactuar com isso e repudio veementemente essa atitude.

2 - Percebo agora que o «ruído» causado nalguma comunicação que tem surgido a publico tem a ver com a definição de objectivos entre 2 instituições: CPA e um portal existente na Web denominado CampingCar.

O que são e quais os objectivos especificos destas duas entidades?
- O CPA é aquilo que já referi no ponto 1, um clube reconhecido por lei, com associados, estatutos e objectivos bem definidos que não visa o lucro.

- O CampingCar é um portal de caracter informativo ou formativo com conteúdos ligados ao autocaravanismo, sem estatutos nem associados e com a representatividade apenas de quem o gere e que como qualquer portal visa angariar «patrocinios» que lhe permitam pelo menos suportar os custos de manutenção desse portal. Isso é perfeitamente legitimo porque manter uma estrutura informativa deste genero implica custos e dá muito trabalho.
Tão legitimo que acho inclusivamente que o CPA também deveria considerar esta possibilidade de anunciar no seu site de forma a poder obter alguma receita adicional que possibilitaria recurso financeiro para fazer mais coisas. Além de que o numero de hits que o site já tem teria interesse para as empresas como veículo de divulgação.
   
Um portal sobre o autocaravanismo é uma coisa boa e oxalá houvessem mais porque também é uma forma de contribuir (e importante) para o desenvolvimento desta modalidade.
Resumidamente ambos serão importantes e há lugar para todos e se as suas sinergias forem conjugadas, são a melhor forma de produzir os intentos esperados. Mas estamos a falar de coisas perfeitamente distintas em relação à estrutura, representatividade, responsabilidade e peso de mediação/decisão. O primeiro (CPA) tem e o segundo não tem.

O CampingCar pode (e fará) contribuir para uma divulgação e informação sobre o autocaravanismo se tiver uma atitude consonante, nunca divergente, com todos os outros portais subordinados ao mesmo tema e instituições que a esse tema estejam ligadas (CPA, Federações, Clubes campismo, etc). O lema é complementar e introduzir coisas novas, nunca denegrir, quanto muito corrigir pedagógicamente.
Dei uma vista de olhos muito rápida pela primeira vez ao portal CampingCar e gostei de algumas coisas e não gostei de outras. Espero que continuem a promover e dinamizar as boas e amadureçam o suficiente para eliminar as más e assim teremos um portal que realmente poderá caminhar para ficar nos favoritos do browser do cibernauta comum ou do autocaravanista.

Para terminar gostava de me dirigir ao companheiro Matias que já percebi é uma pessoa inteligente a ver pela forma como se exprime.
Coragem nunca me faltou porque falo sempre (e apenas) com a convicção baseada em padrões de justiça e moralidade.
Foi por isso que lhe dei razão ainda antes de ter percebido isso, acho que fui mesmo o catalizador da sua primeira resposta.

O facto de elogiar os nossos companheiros da Direcção mantem-se. São pessoas que como todos nós, sentem e sofrem pelas injustiças de que por vezes são alvo.
O trabalho que eles têm em mão é um desafio muito dificil que com todas as limitações e entraves que vão encontrando pelo caminho mesmo assim levantam-se e seguem em frente sem desanimar. Se isso não é louvável não sei o que será.

Uma coisa lhe garanto eu não lhes invejo a missão mas agradeco-lhes profundamente que a executem da forma como o têm feito.

Este assunto gerou alguma celeuma e sinto-me um pouco responsavel por dalguma forma ter contribuido para ela. No entanto acho que todos ficamos mais elucidados e por essa razão mais fortes e passificados em relação ao entendimento e isso só pode ser bom num clube de gente inteligente, sensivel e amiga.

Sobre este assunto em particular não tenho mais nada a dizer porque não me ocorre acrescentar mais nada e seria redundante estar a repetir-me.

Saudações a todos

Manuel

« Última modificação: 07 Mai 2007, 15:47 por mcouto » Registado
Matias
Visitante
« Responder #17 em: 07 Mai 2007, 08:59 »

Companheiro Mcouto

É animador saber que num universo de mil e tantos socios há um que tem a coragem de vir a terreiro dizer que pensa como eu no que conta á defesa do autocaravanismo.

Quanto ao restante fiquei deveras surpreendido pois nem nas igrejas oiço os padres elogiar tanto Noso Senhor .

Matias
Registado
Raul Lopes
Visitante
« Responder #16 em: 06 Mai 2007, 22:16 »

Companheiros,

Não era minha intenção voltar ao assunto, mas o que entretanto foi dito assim me obriga.

Primeiro para dizer que prefiro a discussão esclarecedora do que o lodo pantanoso da falsa unanimidade. A realidade é que no autocaravanismo nem todos correm para o mesmo lado da pista, não adianta escondê-lo com enganadoras frases de que "só nos interessa promover o autocaravanismo".   Eu não me sento à mesa com quem cospe no prato da sopa que lhe servem, não me venham com conversas de unidade quando há outros valores de maior nobreza em causa.

Em segundo lugar para dizer ao companheiro Manuel Couto que as palavras dele me lisonjeiam. Obviamente agradeço-as, mas acho que não as mereço.

Em terceiro lugar para lembrar ao companheiro Matias que acho muito meritório que tenha vindo em defesa dos seus amigos. Acontece que se acha que fui indelicado, gostava de saber o que acha do comportamento dos mesmos personagens do CampingCar quando tudo fizeram para acabar com este fórum, quando sobre mim aqui publicaram os mais torpes insultos pessoais. Nessa altura parece que o companheiro Matias andava distraído, pois tais comportamentos não feriram a sua sensibilidade.
Finalmente, em nome da coerência, e indo de encontro ao que verdadeiramente interessa. Em tempos o companheiro escreveu aqui a mensagem seguinte. Tendo a experiência e a ligação que tem ao negócio das autocaravanas, honestamente acha que a mensagem do trabalho comercial feito pela ACAP dá resposta ao apelo que aqui fez?

(Faço a pergunta não para que responda (pois também não tenciono voltar ao tema) mas para que reflicta um pouco sobre a (in)justiça do que escreveu.)

Companheiros,

Os meus parabéns ao Ruy Figueiredo e ao Raul Lopes, pelos seus textos no Autocaravanista e ao Nuno Ribeiro, pela frontalidade e pela coragem de lidar com a "nossa" porcaria.

Talvez o título do novo tópico não seja o mais indicado, mas é somente para chamar a atenção de um pormenor que penso estar a escapar-nos. Existem cerca de 6000 registos de ACs e de à meia dúzia de anos para cá, o aumento tem sido substancial, para gozo de quem vende, mas para calvário de quem compra e nos defende e ai é que penso deverem também entrar os vendedores, pois são eles os maiores interessados em que as vendas não parem, pelo que através das suas associações (se as houver) devem-nos apoiar, protestar, interpelar organismos oficiais, a fim de tentarmos evitar que dias mais negros se nos deparem.
Esta é a sua "carta aberta aos vendedores de AC", leia agora esta outra mensagem que aqui escreveu e compare-a com com o relato idílico que é feito da viagem pela costa Vicentina até ao Algarve. Afinal em que ficamos? é o meu testemunho e o do seu amigo que faltam à verdade, ou é este trabalho disfarçado de jornalismo?

Caros Companheiros,

O meu amigo Cardoso, conceituado construtor civil em Cascais, comprou em dada altura uma AC Layka Integral, topo de gama das AC Italianas, coisa maravilhosa, linda  Cheesy Cheesy Cheesy Cheesy Cheesy, e era vê-lo feliz e contente, passeando com a familia, descobrindo as belezas da nossa terra, um regalo ouvi-lo partilhar connosco como ia descobrindo este aquele e outro local mais escondido, via-se nos seus olhos um deslumbramento tal, que nos transmitia o que estava sentindo sem necessitar de palavras, nós que tambémm adoramos o mesmo entendiamos.

Como nem tudo é belo e perfeito, nem mesmo a Natureza, eis que ao meu amigo Cardozo, começaram a surgir pequenos contrantempos, que foram aumentando de dificuldade em dificuldade, resolvidos com um pouco de paciência, mas uma coisa eu notava, o brilho nos olhos quando contava as peripécias dos seus passeios já não era o mesmo, já não era tão alegre.

Nas férias de Natal/Ano Novo da época de 2005 foi como o Companheiro Raul efectuar uma viagem pelo Litoral Alentejano e Algarve, tudo planeado para 5 dias maravilhosos, mas ao segundo dia já o meu amigo Cardoso estava na sua residência em Cascais, viu e sentiu precisamente o que o Companheiro Raul sentiu, deprimido e envergonhado decidiu com a familia retirar-se.

Desistiu de tudo o que o ligava ao AC e hoje com outra filosofia de vida lá vai andando feliz e contente passeando com a sua familia...

Cumprimentos,

Matias
« Última modificação: 06 Mai 2007, 22:30 por RaulLopes » Registado
Transit81
Membro de Mérito
****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 170

: Set, 2006


Visitante Nº 1172


« Responder #15 em: 06 Mai 2007, 21:17 »

Cordiais!

Acabem com "o mal dizer"!

Andamos  todos ao mesmo.

Falem só das coisas boas e lindas e unam-se!

Coisa negativas estamos fartos...

Transit81.








Registado

Saudações
Vasco Nazário
Sintra
A748-2
Visitante
« Responder #14 em: 06 Mai 2007, 20:02 »

Boa tarde,

Com este disparar em todas as direções, acabamos por atingir aquilo que não devia ser atingido(Autocaravanismo) e deixamos ileso o que devia ser destruido que é a divisão que existe entre nós.
Se acreditarmos que todos os novos aderentes, angariados por este trabalho, estão neste momento a contactar connosco pela primeira vez, concerteza que não ficarão com a melhor das opiniões.
E aí, já não terá sido só a Visão a prestar um mau serviço ao Autocaravanismo.

Não podemos cair no erro de endeusarmos as pessoas nem denegrir o conceito que cada um tem do Autocaravanismo. O CPA e o Campingcar, são livres de promover os mais altos valores pelos quais o Autocaravanismo se deve reger, aliás foi para isso que ambos foram criados, mas nada nos obriga que nos identifiquemos com a totalidade dessas directivas. Nem nos podemos tornar fundamentalistas, ao ponto a que chegámos.
As pessoas que hoje se insultam e maltratam, já foram amigas e já foram concordantes na forma de se defender o Autocaravanismo, deixemos que elas resolvam entre elas essas questões. Não se deixem arrastar por aparências, porque corremos o risco de sermos maus juízes em causa própria.

Ambos os lados têm defeitos e qualidades como tudo na vida, mas os defeitos não podem ser pretexto que á minima faísca, se destrua tudo o resto de bom que ambos os lados possuem.

Se continuarmos assim, alguém que se encarregue de apanhar os cacos...

 
Registado
mcouto
Visitante
« Responder #13 em: 06 Mai 2007, 17:26 »

Caros companheiros em geral e companheiro Matias em particular,

O ponto de vista do companheiro Matias é exactamente o mesmo onde eu queria chegar na minha ultima mensagem no que diz respeito ao artigo da Visão e na prespectiva da divulgação do autocaravanismo e do CPA, só não concordo de todo com o que diz sobre o nosso companheiro Raul Lopes.

O companheiro Raul Lopes é talvez o que de melhor aconteceu nos ultimos anos ao desenvolvimento do autocaravanismo em Portugal e ao mesmo nivel ou muito próximo, os restantes elementos da actual direcção do CPA.
Hoje sinto-me mais rico porque já tive oportunidade de trocar algumas impressões com o companheiro Raul Lopes e mesmo não o conhecendo pessoalmente (apenas falamos por telefone) percebi que é uma pessoa que nos ajuda a todos nesta luta. Basta ouvir a entrevista que ele deu à TSF para perceber que este homem é uma pessoa de caracter e uma inteligencia  fora do comum que felizmente para todos nós adora e tem a paixão pelo autocaravanismo. Diria mesmo que todos temos muito a ganhar e lhe devemos a maior gratidão pela sua dedicação a esta causa. Oxalá tenhamos sempre a sua genialidade, simpatia e inteligência do nosso lado.

Em tudo aquilo que me é visivel notar e que é feito, muito além deste forum, demonstra que esta pessoa vibra e sofre com todos os reveses que infelizmente vamos tendo nas nossas práticas do autocaravanismo.
Acho que é inclusivamente uma pessoa que o faz com total e incondicional paixão e nenhum interesse pessoal (como aliás o resto dos elementos da actual direcção do clube). Não acredito que tirem daqui nenhum proveito para usufruto pessoal que não seja o mesmo que todos nós tiramos decorrente do excelente trabalho que têm vindo a desenvolver no seio do CPA.

A razão que leva os nossos companheiros R. Lopes ou NunoR a proferir algum descontentamento sobre o artigo da Visão só tem a ver com alguma injustiça (legitima nos seus pontos de vista e também no meu) que sentem pelo facto de alguns orgãos de comunicação social insistirem em não fazer recurso a uma instituição que se chama CPA, para produzirem artigos muito mais crediveis e realistas e assim tirarem partido dum conhecimento, organização e experiencia muito mais vasta, impossivel de encontrar em qualquer outra instituição existente em Portugal mesmo naquelas que se autodenominam como a entidade oficial da modalidade.
E aqui estou e estarei sempre com eles e dou-lhes total apoio e razão. A melhor maneira de produzir um artigo válido e com qualidade sobre um determinado assunto é ouvir também quem conhece melhor esse assunto.

Resta dizer que foi esta direcção que me trouxe para este clube como sócio porque acreditei que realmente existiam as pessoas e a filosofia certas para que se produzisse alguma coisa que realmente faria a diferença. Hoje tenho a certeza sem qualquer sombra de duvida que isso é verdade e está a acontecer - esta Direcção é sem duvida a embaixadora do autocaravanismo em Portugal e aquela que tem a inteligência e a dinamica provada para fazer as coisas da maneira certa.

Quando introduzi o meu ponto de vista pretendi enquadrar algo que não estava a ser ponderado, nunca pretendi criticar ou desvalorizar as obervaçoes pertinentes e legitimas de outros companheiros.
Tenho a certeza que todos os companheiros, incluindo o companheiro Matias, pensarão da mesma forma que eu.

Saudações

Manuel
 

« Última modificação: 06 Mai 2007, 17:30 por mcouto » Registado
Matias
Visitante
« Responder #12 em: 06 Mai 2007, 14:54 »

Caros companheiros,

Também li o caderno especial da revista Visão, e sobre o mesmo cumpre-me dizer as seguintes situações:

Em tempos li o best seller "A Casa dos Espiritos" da escritora Isabel Allende e como todo o mundo apreciei bastante. Mais tarde tive conhecimento que se estava a rodar na zona do Alentejo um filme baseado no livro, que naturalmente tive curiosidade em ver assim que apareceu nas salas de cinema. Bastante espantado fiquei pois o filme nada tinha a ver com o livro que eu conhecia muito bem, mas ao analisar o filme tive de levar em conta que a óptica do realizador em relação ao romance é que estava a ser transmitida, portanto considero que o jornalista que desenvolveu este caderno desempenhou um trabalho óptimo tendo em conta que nem AC é, e que prestou segundo o meu entender um óptimo serviço à causa que nós aqui tentamos defender, e eu sei bem do que estou a falar, pois em tempos quando me dedicava ao comércio de AC recebia a visita de centenas de eventuais compradores, alguns que nunca tinham entrado numa AC e que desconheciam completamente o seu funcionamento, mas uma coisa tinham em mente, praticar turismo ao ar livre em locais desconhecidos e sem se preocuparem com qualquer regra que em abono da verdade também não existia. Ultimamente tenho verificado que alguns desses individuos fazem ouvir a sua voz pelos foruns existentes, o que me leva a pensar que criaram outros conhecimentos se tornaram mais exigentes e viram-se forçados a procurar conselhos em clubes e foruns. Portanto temos de agradecer à revista Visão o excelente trabalho realizado por este jornalista que quer queiram quer não considero-o em prol do desenvolvimento do AC pois vai ser lido por bastante gente que querendo satisfazer a sua curiosidade irá aumentar o número de participantes no nosso meio.

Chamo também a vossa atenção para o facto de na verdade na escrita do jornalista existirem algumas gaffes, mas também coisas muito boas, cito na página 26 "A comunidade de caravanistas felizmente é aberta e solidária e troca constantemente dicas e sugestões".

Já solidárias não me parecem ser as afirmações proferidas pelo Companheiro Raul Lopes em relação ao Camping Car Portugal, que me parecem ser bastante indelicadas e que não vêm nada a propósito, pois um AC que se preze deve ter a altivês suficiente para dialogar com quem quer que seja sem melindrar ao ponto de dar origem a que alguns seguidores habituais venham de imediato bajular o que se diz que quanto a mim não é nada ético e totalmente descabido, na medida em que temos de ser todos fortes para lutar pelo AC, e a nossa luta não está nesse lado mas sim nos esclarecimentos às Juntas de Freguesia, Municipios e entidades Governamentais.

Cumprimentos,

Matias
« Última modificação: 06 Mai 2007, 15:37 por Matias » Registado
mcouto
Visitante
« Responder #11 em: 05 Mai 2007, 18:49 »

Caros companheiros,

Embora só tenha lido muito por alto 2 ou 3 páginas da referida publicação o que me coloca numa posição pouco sustentada para discutir o seu conteúdo mas essa posição reflete tambem a minha postura de gostar mais de exercicios práticos do que teóricos em relação a coisas que goste.

No entanto sinto-me (moralmente e por convicção) responsavel por fazer algumas observações adicionais, até porque fui eu que iniciei esta ampla discuçao de pontos de vista fazendo referência à tal publicação.

Haverão concerteza coisas que desconheço entre federações, clubes, associações e lobbies que «manipularam», «construiram» ou foram visados com este trabalho e em relação a isso não me pronuncio dando ou tirando razão a ninguém.
Agora existe um facto que é preciso não esquecer que se chama marketing (divulgação) que é preciso avaliar com sobriedade e quem sabe até talvez com algum sentido de gratidão nem que seja à ocasionalidade.

Uma intervenção curtissima do nosso companheiro Transit81 diz tudo aquilo que estou a tentar explicar - «É preciso que falem de nós, bem ou mal, é sinal que ...» [existimos].
Na minha modesta opinião nem acho que falassem mal de nós e se pensarmos que a tiragem em exemplares da Visão somada à da Turbo dá um veiculo de publicidade a um clube que é o nosso (aparece 2 vezes o url do CPA e 1 vez a sua missão), a uma actividade que praticamos e a alguns dos problemas que sentimos na pele.

Pode não ter sido uma operação perfeita, rigorosa ou realistica mas neste país quantas são as coisas que se começam a resolver apenas porque houve vontade politica para as resolver? Acho que é quase tudo.
Já pensaram se a revista pelo numero de pessoas a que vai chegar não poderá chegar às mãos certas? A alternativa seria nenhuma (0) se ela não saisse.

Ninguem acredite aqui que vamos resolver os nosso problemas de autocaravanistas pela via de pequena elite treinada para o assunto. Afinal estamos a falar duma modalidade que padece de generalização e afirmação por isso não tem as condições que devia.
É preciso sermos mais relações públicas, mais cordiais e acima de tudo mais colaborativos com quem tem os meios que nós não temos para divulgar os nossos problemas.

Fica esta reflexão que espero não vá perturbar as ideias de ninguém mas sim por em campo mais algumas variáveis que valerá a pena equacionar.

Saudações a todos

Manuel
 
Registado
msilva
Membro de Mérito
****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 257

: Ago, 2006


Visitante Nº 1053


« Responder #10 em: 05 Mai 2007, 15:41 »

Caros Companheiros:
Não se esqueçam que este suplemento foi também distribuído com a revista TURBO que é só a maior do ramo automóvel em Portugal, por isso quando aqui falamos na má informação distribuída com a Visão devemos também incluir a Turbo. Esta sim deveria ter muito mais cuidado com este tipo de informação que é a de que é especialista, o mundo automóvel.
MSilva
Registado

Mário Silva
Loures
A748-2
Visitante
« Responder #9 em: 05 Mai 2007, 12:50 »

Bom dia,

Já deu para ver, que o CPA, não foi dado nem achado para este péssimo trabalho sobre o Autocaravanismo. Que é evidente o cariz comercial de alguns dos textos, ninguém com dois dedos de testa duvida. Pondo até em dúvida se aquela "viagem" realmente existiu?
Mas daí, até acharmos que "isto" matou definitivamente, as boas práticas de Autocaravanismo, acho que vai uma grande distância. Apesar de haver uma certa incongruência, em atitutes da viagem, e o que na realidade se passa em Portugal... só quem "está no convento sabe o que vai lá dentro"!!

O que eu acho piada nisto tudo, é que aqueles(alguns!), que se "enchouriçam" todos contra os "grelhados nas falésias", e se estavam estacionados ou acampados, venham bater palmas de pé, em relação á qualidade do trabalho. Acho que nestas coisas, só vê quem quer, quem não quer, desvia o olhar.

Por outro lado, pessoalizar, este caso, acho errado já que considero isso um "tiro no pé" porque só vai criar mais divisão, e se assim não fosse, não teria havido um tratamento diferenciado. Só lamento é que neste ambiente de "parada e resposta" se esqueçam da multidão que arrastam. Na realidade, isto não passou de uma resposta, a quem semeou ventos... 
 
Registado
Jorge Lé
Membro
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 29

: Mar, 2007



« Responder #8 em: 05 Mai 2007, 08:30 »

Bom dia companheiros,

A indignação do nosso companheiro Raul Lopes e NunuR é de aplaudir, na realidade quando ontem li o suplemento, vi tanta barbaridade que as últimas páginas praticamente nem as li.

Os testemunhos das "Caras Conhecidas", é o típico das revistas corde rosa, pagas-me o almoço e a estadia e eu digo bem de ti, lamentável.

Nós nos média não precisamos de caras conhecidas "Vip" para falar de nós, basta contactarem o CPA e logo se desponibilizam muitas caras nossas conhecidas para defenderem e esclarecerem com verdade a realidade do autocaravanismo.

Será que estes jornalistas conseguem deitar a cabeça na almofada com a consciência que fizeram um bom trabalho em prol da sociedade, ao desinformar em vez de informar??

Fico triste quando vejo que os campanheiros da direcção do nosso clube defendem tão corajosamente e com tanta dificuldade os nossos interesses, e depois vem estes totós com a maior da facilidades escrever um suplemento de quarenta e duas páginas, que por acaso sensivelmente metade é publicidade, falando do que não sabem.

Enfim a realidade é dura, mas temos que andar para a frente.

Boas rotas
Jorge Lé
Registado

Jorge Lé
Figueira da Foz
Transit81
Membro de Mérito
****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 170

: Set, 2006


Visitante Nº 1172


« Responder #7 em: 04 Mai 2007, 21:21 »

Cordiais!

É preciso que falem de nós, bem ou mal, é sinal que estamos vivos.

Transit81.



Registado

Saudações
Vasco Nazário
Sintra
Ameneses
Hero Member
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 960

: Mai, 2006



« Responder #6 em: 04 Mai 2007, 21:10 »

Inteiramente de acordo com o Companheiro Raul Lopes. E acrescento: p'ró lixo o que é lixo!

Saudações Autocaravanistas.

Ameneses
Registado

Adérito Meneses
Aveiro
Decarvalho
Visitante
« Responder #5 em: 04 Mai 2007, 19:45 »

meu caro Nuno, meu caro Raul Lopes,
meus caros companheiros Ac deste forum
meus caros consocios do CPA


100% de acordo com o post do Nuno Ribeiro, e por isso mesmo ja esta reproduzido no blogspot em aditamento ao meu comentario anterior de que a Visao só interessa ao publico em geral, que pela primeira vez tem assim um contacto com este sector...e que se for exigente la procurará nos links e atraves do google, irá para os links omissos, informar-se melhor e mais aprofundadamente.

felizmente que a internet acabou de vez com a censura seja por mutilação seja pela omissão da informação. Quem quer saber saberá e ao bater as portas elas abrir-se-ão de par em par...restrições, condicionamentos, serão rasgados pela apetencia em aceder ao conhecimento e  à informação. O silênciamento dos bonzos cairá sempre que houver um Aprendizà procura de um Mestre...

Nao nos podemos (nós Ac) embasbacarmo-nos com as referencias ao autocaravanismo só porque esta palavra é referida na comunicaçao social...hoje mais do que nunca vale  a comunicação directa nos meios verdadeiramente interessados e especializados que assim podem desenvolver uma opinião pública (e publicada) séria, pertinente...e representativa.

pena que alem da ACAP, nao exista uma associação de profissonais e empresas de turismo de ar livre...um CPA ainda mais represantativo, jornalistas verdadeiramente informados, e ate, uma federação activa deste sector, como...em França. Temas não para assembleias gerais, mas um dia para um congresso, ou para um seminario sobre autocaravanismo...

Quanto a Visão, não valera a pena nem a bajulação nem o protesto. Está publicada, vai motivar alguma opinião pública a interessar-se pelo caravanismo e  tambem pelo autocaravanismo, via publicidade comercial...

ou estarei errado?
« Última modificação: 05 Mai 2007, 19:31 por Decarvalho » Registado
Raul Lopes
Visitante
« Responder #4 em: 04 Mai 2007, 19:17 »

Companheiros,

No centro da Europa, que por alguma razão me habituei a tomar como "civilizada", não são os Clubes mas os fabricantes e as associações de vendedores de autocaravanas quem mais luta pelos direitos dos autocaravanistas.
Em Portugal a coisa é bem diferente. É bom ter presente o que alguns ainda não perceberam: este suplemento não é um trabalho jornalístico, é uma separata comercial patrocinada pela ACAP, que é a Associação dos Comerciantes de Automóveis-Autocaravanas. O resultado pode ser bom para  o negócio, mas é um mau serviço que prestam ao autocaravanismo. Apenas alguns exemplos:
-- a permanente confusão entre caravanas e autocaravanas (um atrelado não é um veículo, nem do ponto de vista legal, nem quanto às condições de condução!);
-- a sistemática associação de autocaravanismo a campismo (será que os vendedores esperam vender AC para ficarem presas à estaca num qualquer camping?)
-- o ignorar das restrições legais e, ainda por cima, o mau exemplo dado. A página 6 é bem ilustrativa do que digo. Um suposto jornalista não identificado andou a fingir de autocaravanista "fazendo grelhados nas falésias" Huh Huh Huh Huh; percorreu a Costa de Porto-Côvo a Sagres pernoitando onde muito bem lhe apeteceu e "nunca teve problemas"?

Quem é o autocaravanista bem-formado que não condena o campismo selvagem, o grelhador... ? Por outro lado, nós sabemos que a sul de Porto-Côvo todos os Concelhos, sem excepção, que este autocaravanista de ocasião percorreu e onde pernoitou têm Regulamentos que proíbem o simples estacionamento de autocaravanas. Portanto, a mensagem que se passa não podia estar mais errada.
Não acredito que os vendedores queiram vender gato por lebre, dizendo às pessoas que podem fazer tudo e mais alguma coisa e depois as pessoas chegam aos locais e confrontam-se com a polícia. Quem escreveu o texto está mal informado, porque assim o desejou, pela forma como seleccionou quem usou e quem não usou como fonte de informação. O CPA não foi consultado, mas uma leitura atenta das páginas 36-37 deixa perceber quem foram as fontes de informação.
É um mau serviço prestado ao autocaravanismo este que os vendedores patrocinaram. Com o dinheiro da publicidade que pagaram neste suplemento teriam pago os custos judiciais para impugnar nos Tribunais os referidos Regulamentos municipais. Isso sim, teria sido um bom serviço da ACAP ao autocaravanismo.

Pior do que o conteúdo do suplemento é a atitude do CampingCar
. Não falo da absurda contradição de quem diz que tem por único objectivo a promoção do autocaravanismo e depois declara (e pratica!) estar em oposição à "actual Direcção do CPA, pela forma como dirige o Clube e defende o autocaravanismo". Existe por acaso outra instituição a defender o autocaravanismo em Portugal? O CampingCar tem um programa de actuação melhor do que o do CPA? Então porque não se assumem como um clube e não dão mostras públicas de terem uma actuação consequente? Mostrem obra e serão bem-vindos ao movimento!
Uma vez mais o exemplo da Europa não tem seguidores em Portugal. O CampingCar francês e os minhentos sites e fórum independentes que por lá existem sobre autocaravanismo não são tribunas de oposição a nenhuma direcção de clube, mas entre nós é este o caminho de quem diz querer defender o autocaravanismo.

Porque é que trago agora aqui este tema, sobre o qual nunca antes me pronunciei? Porque parece-me inqualificável a atitude dos membros do campingcar Portugal ao bajularem este (mau) trabalho da ACAP trazido a lume pela revista Visão. Basta ver os comentários que lhe fizeram no fórum. Porque o fizeram? bom, porque a revista numa das suas 40 páginas deu um destaque de 5 cm ao site do CampingCar e, talvez, por essa indicação surgir na revista com maior visibilidade do que o link do CPA.
Se não foi por isso, só pode ser para agradarem às empresas que fazem publicidade no fórum deles.
Seja como for, a atitude que lhe está por detrás é demasiado reles. É imprópria de quem pretende ser porta-voz dos interesses dos autocaravanistas. Daí que não possa silenciar esta minha indignação. Os autocaravanistas são pessoas integras, não se vendem por meia leca, não calam os valores que defendem a troco de qualquer ninharia. Infelizmente não posso dizer que fique surpreendido com o comportamento do campingcar, mas isso são contas de outro rosário.

« Última modificação: 04 Mai 2007, 19:27 por RaulLopes » Registado
msilva
Membro de Mérito
****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 257

: Ago, 2006


Visitante Nº 1053


« Responder #3 em: 04 Mai 2007, 11:30 »

Caro Nuno:
Quando me dirigi a uma tabacaria para comprar a Visão ou a Turbo o dono da referida aconselhou-me a primeiro desfolhar o suplemento sobre autocaravanas pois não achou nada de credível. Gostei das fotos algumas mesmo não são de Portugal e nenhum dos artigos é assinado. Nos VIP's que têm AC's ainda lá falta gente de nome mas.
Não sei se valerá a pena usar-se o direito de resposta/esclarecimento tanto para a Visão como para a Turbo pois seriam obrigados a publica-la.
É pena que comecem a tratar o autocaravanismo só pela vertente comercial sem se elucidar devidamente quem queira adquirir
Um abraço
MSilva
Registado

Mário Silva
Loures
nunor
Visitante
« Responder #2 em: 04 Mai 2007, 10:43 »

Como já aqui foi referido,a revista Visão e a Turbo, sairam esta semana com um Cadernio Especial, intitulado Turismo Ar Livre,  sobre o Caravanismo e Autocaravanismo.

A minha opinião é francamente negativa. Quem não conhece os problemas com que nós nos debatemos quando utilizamos uma autocaravana, julga que tudo é um mar de rosas e são só facilidades. Não é com este tipo de publicação que se melhora as condições para o autocaravanismo em Portugal.
Dos poucos aspectos positivos destaco a excelente qualidade gráfica da revista com inúmeras fotografias de sonho. A leitura é fácil e rápida, já que se tratam os assuntos de uma forma bastante superficial.
Este caderno é essencialmente comercial, virado em exclusivo para os comerciantes e anunciantes. Apenas se faz a apologia do que de positivo tem o caravanismo e autocaravanismo e contém bastantes erros, omissões e informações incorrectas.
Onde está o jornalismo neste destacável? Onde está a missão formadora e informativa? Pior ainda, induz em erros potenciais utilizadores, com o único propósito de levar à compra destes equipamentos.
Exemplos:

Na crónica das páginas 4 a 6, não assinada, transmite-se a ideia (errada) que é possível pernoitar em qualquer lugar, chegando-se a dizer "O nosso itinerário levou-nos a pernoitar perto de outras praias..." Como é possível escrever isto, sabendo-se que os Planos de Ordenamento da Orla Costeira proíbe exactamente este comportamento? Como é possível fazerem-se trabalhos destes sem haver a preocupação de se documentar e pesquisar sobre os temas que se aborda?
Mais à frente outro erro crasso. "Despejámos o depósito de detritos da casa de banho num local próprio apenas existente nos parques (de campismo)..." Será que a publicidade a vários parques de campismo feita neste destacável, fez com que se tivesse que a dar a sensação que é imprescindível utilizar parques de campismo?
Na página 12 surge uma novidade. Fala-se na "Federação Europeia de Campismo" para invocar estatísticas sobre o mercado de caravanas e autocaravanas na Europa. Federação Europeia de Campismo?!?
Na página 14, surge uma tabela com as vendas de caravanas e autocaravanas na Europa. A fonte é a "Federação Internacional de Campismo de Caravanismo" Será a tal Federação Europeia de Campismo referida na página 12?
Aparecem estatísticas referentes a Portugal, que a entidade responsável em Portugal pela elaboração destas estatísticas, a ACAP, não possui..... Mais uma para o saco....Quando não se tem, inventa-se?Huh
Em geral ao longo do caderno, não há uma distinção clara entre caravanismo e autocaravanismo, confundindo-se em muitos casos uma coisa com a outra e chegando ao ponto de se afirmar na página 35, numa rúbrica sobre perguntas frequentes, com o título "Tire as suas Dúvidas" mais uma informação errada. À pergunta "Há algumas restrições especiais de circulação?" é respondido que não e afirma-se que "Mesmo as caravanas podem parar uma noite numa área de serviço, em trânsito para outro destino". Terão estes jornalistas ouvido falar numa coisa chamada Código da Estrada??
Na rúbrica pesquisa online, onde se aconselha a consulta de determinados sites antes de partir em viagem, o CCL, vem referenciado como Clube Campista de Lisboa e o CPA, aparece em duplicado como Clube Português de Autocaravanas e Clubes Português de Autocaravanismo!!!!

Falta neste destacável, a abordagem às àreas de serviço, aos problemas e restrições ao estacionamento, aos comportamentos menos correctos, aos correctos procedimentos dos utilizadores de autocaravanas, etc., ou seja, falta aqui tudo o que possa trazer problemas à venda de caravanas e autocaravanas.

Em jeito de conclusão, é de registar o interesse numa publicação deste tipo sobre o autocaravanismo, mas esperava-se muito mais cuidado na sua elaboração e sobretudo que o mote desta publicação fosse a informação e formação e não a vertente comercial.

Nuno
 



















Registado
JRFIRMINO
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 115

: Out, 2006

Sócio Nº 550


« Responder #1 em: 03 Mai 2007, 20:50 »

O suplemento (da autoria da secção especializada"Ar Livre"da ACAP) está interessante. No entanto, é de lamentar que a referência ao CPA - não vi outra - seja apenas a indicação do "site" do CPA na página "pesquisa online"(sem qualquer comentário adicional). Será que o CPA não foi contactado pela ACAP? Não creio, pois teria sido uma boa altura para a Direcção defender esta forma de turismo itinerante...
Registado

João Firmino
Queluz-Sintra
mcouto
Visitante
« em: 03 Mai 2007, 17:41 »

Caros companheiros,

Não sei se já alguem viu, a ultima revista Visão (nº 739) contem um destacavel de 40 paginas  que tambem vem na Turbo (nº 309) sobre autocaravanas e esta forma de turismo. É um extenso artigo que foca a beleza desta actividade com o objectivo de ser uma espécie de guia para quem esteja a pensar aderir.
Talvez valha a pena dar uma vista de olhos.

Parece que estamos a ficar na berra afinal (antes isso do que no berro)

Fica a referência...

Saudações
Manuel


* visao.jpg (83.11 Kb, 370x480 - visto 288 vezes.)
« Última modificação: 04 Mai 2007, 20:08 por RaulLopes » Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
Imprimir
 
Ir para: