Páginas: [1]   Ir para o fundo
Imprimir
Autor Tópico: Novo Imposto Automóvel  (Lida 13594 vezes)
0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.
teresa paiva
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 213

: Fev, 2006


Sócio Nº 294


« Responder #5 em: 28 Fev 2008, 23:13 »

Nuno

Obrigada pela informação, pois já tinha andado, pelas declarações electrónicas, á procura e não havia informação nenhuma.

um abraço

Teresa Paiva
Registado

Teresa Paiva
V.N.Gaia
nunor
Visitante
« Responder #4 em: 28 Fev 2008, 15:44 »

Boa tarde

O IUC para as autocaravanas está finalmente regularizado.
No início do ano quando as Finanças fizeram a migração dos comerciais para o novo IUC, "esqueceram-se" de nós.....o que até não tinha sido nada mau!!!!

Neste momento já é possível pagar em qualquer repartição de finanças, balcão de finanças nas Lojas do Cidação ou na página das Declarações Electrónicas o respectivo IUC.
Atenção que para as Acs cuja primeira matrícula é de Janeiro ou Fevereiro o prazo acaba amanhã.

Cumprimentos
Nuno

PS: É pena que a imbecilidade tb não pague imposto...
PS1: Desculpem-me pelo desabafo!
Registado
Jocavelino
Visitante
« Responder #3 em: 27 Abr 2007, 17:52 »

Amigo e companheiro NunoR è com algum desgosto que vejo novamente só contar-mos para impostos ora não seria o melhor momento para desfilar-mos pela Rua da Prata  e pararmos no Terreiro do Paço a perguntar qualquer coisa aos transeuntes como por exemplo se sabem de uma parque de estacionamento ou algo do género.
São desabafos mas dá-me a impressão que sem uma tomada de força continuaremos a ser descriminados a olhos vistos.
Bem Hajam
Registado
nunor
Visitante
« Responder #2 em: 09 Mar 2007, 10:44 »

Ontem o secretário de estado dos assuntos fiscais esclareceu o que aqui em baixo já tinha sido apontado como hipótese. As autocaravanas deixam de estar isentas de IA e passam a pagar 10% do novo imposto, o Imposto Sobre Veículos.

Mais informações em:

http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=782946&div_id=1730

http://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/nacional/economia/pt/desarrollo/747577.html


http://www.negocios.pt/default.asp?Session=&SqlPage=Content_Economia&CpContentId=292152
Registado
nunor
Visitante
« Responder #1 em: 07 Mar 2007, 18:23 »

Mais informações sobre os novos impostos:


Para quem já comprou carro ou vai comprar até Julho deste ano, tudo se mantém na mesma. Com algumas excepções a nível de procedimentos (pagamento do IUC por exemplo), ninguém vai ver o seu encargo anual com o automóvel agravado significativamente. Alguns veículos mais antigos e de maior cilindrada vêem o imposto de circulação aumentar alguns euros mas nada de preocupante.

Os importados usados, e ao contrário do que tenho vindo a dizer (a fazer fé no Diário de Notícias), vão ter exactamente as mesmas regras dos veículos novos. Vão pagar o Imposto Sobre Veículos (ISV) e o Imposto Único de Circulação (IUC) com base na cilindrada e nas emissões de CO2. Os descontos consoante a idade mantêm-se, havendo lugar a um desconto novo de 10% para automóveis com mais de 6 meses e menos de 1 ano (antes, os veículos com esta idade não tinham qualquer desconto).

Os comerciais ligeiros, carros de dois lugares com caixa de carga, utilizam a tabela B com incidência exclusiva na cilindrada, e pelos primeiros cálculos que fiz vão aumentar de preço. E esta situação vai-se manter até 2009.

Os veículos híbridos e os automóveis que consumam exclusivamente GPL ou GN, continuam com o desconto de 40% sobre o total do imposto sobre veículos.

As motos passam a pagar Imposto Sobre Veículos (antes não pagavam Imposto Automóvel). O valor, apesar de tudo, é relativamente baixo e fixo: 50€ até 750cc e 100€ daí para cima.

O mesmo acontecerá às autocaravanas que pagam 10% da incidência sobre a tabela B (cilindrada).

O governo isentou completamente do pagamento de Imposto Sobre Veículos todos os veículos hibridos ou que consumam exclusivamente GPL/GN que se destinem a serviço de táxi. Por outro lado, apenas automóveis com menos de 4 anos beneficiam de um desconto no ISV para serviço de táxi. Na prática, se um profissional quiser importar um usado para usar como táxi, tem muitas razões para escolher um carro com menos de 4 anos. O fim da lenda dos Mercedes Benz nas nossas praças?

O Imposto Único de Circulação (IUC) vai ser pago pelo proprietário. Quantos proprietários que já não o são receberão em casa contas para pagar? Muitas das vezes na transmissão de propriedade de um automóvel o novo dono não o regista em seu nome. A partir de agora antevêem-se alguns aborrecimentos para os particulares que já venderam pelo menos um carro. Com esta medida também os profissionais vendedores de automóveis com grandes stocks vão ver os seus custos aumentar exponencialmente.

É agora que vamos efectivamente saber quantos carros circulam em Portugal, quantos já foram abatidos e quantos desapareceram. Pena é que isto só se aplique a viaturas matriculadas a partir de 1981. O que quer dizer que vamos continuar a ver calhambeques abandonados por todo o lado.

O processo de importação de automóveis usados parece ficar um pouco mais simplificado, tanto para os particulares como para os profissionais.
O processo de entrega de automóveis novos aos clientes também parece que vai sofrer algumas alterações interessantes. Qualquer empresa que comercialize automóveis e seja reconhecida pela DGAEIC tem mais trabalho mas menos burocracia.
Melhor ainda, pode não pagar Imposto Sobre Veículos durante três anos. Aqui pode-se abrir um caminho à fraude mas logo veremos.
 


Fonte: http://impostoautomovel.blogspot.com/
Registado
nunor
Visitante
« em: 06 Mar 2007, 14:50 »

A partir de Julho vão ocorrer alterações no cálculos dos impostos sobre os veículos automóveis. Será que isso irá afectar o preço final das autocaravanas? Receio que a isenção no Imposto Automóvel que neste momento as autocaravanas beneficiam irá acabar e por consequência não será difícil de adivinhar que a resposta será SIM, o preço das autocaravanas vai aumentar....
No Diário de Notícias de 26 de Fevereiro é (bem) explicado as novidades sobre os novos impostos sobre os automóveis:

Imposto sobre os Veículos (ISV) e Imposto Único de Circulação (IUC). Duas novas siglas que vão substituir o Imposto Automóvel, a partir de 1 de Julho deste ano, de acordo com proposta de lei ontem aprovado em Conselho de Ministros.

Comprar carro novo vai implicar pagar à cabeça  o ISV, imposto sobre veículos, calculado com base nas tabelas que o DN divulga. Diz o Executivo, através de João Amaral Tomaz, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, que o imposto baixa, em média, 10%. Mas a carga fiscal final para o proprietário do novo veículo não desce, já que o Executivo pretende "assegurar a manutenção do nível de receitas fiscais", actualmente geradas com o IA , o IVA e o imposto municipal sobre veículos (IMV).

O vulgar "selo do carro" (IMV), desaparece para os proprietários dos novos veículos adquiridos a partir de Julho. Em seu lugar surge o Imposto Único de Circulação (IUC) que substituirá também o imposto de Circulação e de Camionagem. Em teoria, os tais 10% de imposto "poupados" à cabeça serão liquidados durante a vida útil do automóvel a título de IUC, "sendo os veículos identificados", diz a proposta do Governo, "por sete categorias, de A a G, correspondendo a cada uma "as respectivas taxas".

Como será aplicado o imposto pago à cabeça, o ISV? À partida, o Executivo publica duas tabelas anuais - as expostas ao lado são para vigorar já este ano - sendo a primeira (Tabela A) destinada aos veículos novos. O novo imposto, com duas componentes, é então calculado com base na cilindrada e pela "carga" ambiental, acrescido do IVA.

Na primeira componente, a taxa a aplicar ao preço-base do carro é de 1,96 euros por cada centímetro cúbico, nos veículos (gama utilitários) até aos 1250 cc. Ao total apurado abate-se 1350 euros. Na segunda componente do ISV, a "ambiental" - com um peso de 30% no total da carga fiscal, durante o primeiro ano de vigência - o mecanismo de cálculo do imposto é o mesmo. Ao total é acrescido o IVA.

Nos anos seguintes, surge o Imposto Único de Circulação, a vigorar já em 1 de Janeiro de 2008, para quem compra veículo novo. Os proprietários estão livres do "selo do carro" e, em sua substituição, liquidam o novo IUC durante a vida útil do automóvel. Em teoria, para manter intacto as receitas fiscais do Estado é suposto pagarem o equivalente aos 10% descontados à cabeça.

Para os importadores de carros usados (empresas ou particulares) o motor do novo imposto é a constante na tabela B. Será também aplicada a partir de 1 de Julho e a mecânica de cálculo é semelhante à aplicada para os proprietários de novos carros. Esta classe de compradores está isento do Imposto Único de Circulação, pelo menos até Janeiro de 2008.

Redução do IVA

O peso do imposto indirecto sobre a nova fiscalidade automóvel "será diminuída", afirma João Amaral Tomaz, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. Na nova configuração tributária, o IVA continua a recair sobre o ISV, mas o novo imposto de circulação está livre do imposto indirecto.

Uma solução que não agrada à Comissão Europeia, porque Portugal continua a taxar "imposto sobre imposto". A este propósito, Bruxelas mantém um diferendo directo para com a Dinamarca, porque este Estado membro faz recair o IVA sobre outros impostos indirectos ao automóvel, num mecanismo fiscal semelhante ao português.

"Com as mudanças agora introduzidas, Portugal aproxima-se da prática que a Comissão Europeia pretende ao nível da tributação automóvel", afirma João Amaral Tomaz. "O IVA passará a incidir sobre uma base mais reduzida do que actualmente, porque o novo imposto de circulação não é passível de cobrança de IVA". O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais reconhece "que não se resolve totalmente o problema" colocado por Bruxelas, mas Portugal - afirma - "está a ir no bom sentido".
 

Fonte: http://dn.sapo.pt/2007/02/16/economia/imposto_pago_a_cabeca_diminui_10_jul.html
« Última modificação: 18 Mar 2008, 18:52 por NunoR » Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
Imprimir
 
Ir para: