Páginas: [1]   Ir para o fundo
Imprimir
Autor Tópico: ACREDITE SE QUISER - A extensão eléctrica  (Lida 13066 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Rogerio Mariano
Sócio do CPA
*
***
Offline Offline

Mensagens: 1

: Out, 2011

Sócio N.º 2045


« Responder #4 em: 07 Jun 2012, 13:19 »

Bom dia

Uma extensão electrica enrolada funciona como uma bobina se tiver no nucleo (centro) material magnetico ( o cartel se for chapa de ferro) e aquecerá , por isso nunca deve utilizar extensões com cartel metalico.
Registado
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« Responder #3 em: 30 Nov 2011, 21:53 »


Boa noite,

Considero que os tópicos subordinados ao ACREDITE SE QUISER, só são úteis se forem feitos com uma linguagem muito pouco técnica e de forma muito sucinta e por isso cometi um erro de entrar no detalhe, ao referir o aquecimento da extensão por efeito de Joule, o que levou à intervenção do nosso prezado companheiro Numukaiki chamando a atenção para o aquecimento provocados pelos fortes campos magnéticos criados pela bobine.
 
Sem pretender ser dono da verdade, acho que  nenhum campo magnético é criado, pese  embora que haja indutância que, por si só, não gera calor.

É preciso ter em conta que uma bobine feita com uma extensão eléctrica leva a que haja na realidade duas bobines gémeas portadoras de corrente, a da fase e a do neutro, onde os valores instantâneos da corrente são iguais mas de sentido oposto, levando a que se anulem os campos magnéticos criados.

Na minha modesta opinião, o aquecimento deve-se pois, exclusivamente ao efeito de Joule e à dificuldade de libertação de calorias.

Viajante
Registado
Paulo Moz Barbosa
Administrador
Membro de Mérito
*****
On-Line On-Line

Sexo: Masculino
Mensagens: 330

: Jan, 2010


Sócio 1882


« Responder #2 em: 30 Nov 2011, 19:27 »

Boa tarde,

Pela minha formação académica não podia deixar passar em claro os excelentes conselhos aqui deixados sobre as extensões elétricas. Felicito os seus autores e chamo a atenção para os que até à data se têm mantido fora dos parâmetros aqui expressos.
A segurança começa na prevenção. Nunca se esqueçam desta norma.

Um abraço,
Registado

Paulo Moz Barbosa
(presidente da direção)

(viajo numa Hymer Camp 622 C)
nomukaiki
Membro Júnior
**
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 12

: Out, 2011


« Responder #1 em: 30 Nov 2011, 10:11 »

Apenas venho reforçar o que o companheiro Viajante disse e muito bem.
Não esquecer mesmo que uma extensão enrolada provoca um forte campo electromagnético no seu interior, aquecendo até ao ponto de poder derreter, provocando dessa forma um curto-circuito. O campo magnético gerado é independente da secção do cabo (resistência) mas sim do consumo que é feito. Por isso, forno eléctrico, ar condicionado, micro-ondas, placa de grelhar, são os que poderão causar a falta de secção dos fios de cobre e um campo electromagnético de elevado potencial no centro de uma bobine.
Se utilizar cabo enrolado este deve ter o maior raio possível do enrolador ou idealmente, desenrolar totalmente mesmo que só precise de 1m.
« Última modificação: 30 Nov 2011, 13:16 por nomukaiki » Registado

João Martins
Braga
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« em: 30 Nov 2011, 01:01 »



ACREDITE SE QUISER – A extensão eléctrica

As extensões eléctricas para ligação das autocaravanas à rede de 220V, requerem alguns critérios de escolha para que possam satisfazer normas e recomendações de segurança. Vamos abordar alguns perigos resultantes de extensões inapropriadas ou mal utilizadas, nomeadamente os perigos de incêndio e de electrocussão (choque eléctrico).

Embora seja recomendável o uso de extensões com uma secção de 2,5mm2, o uso de uma extensão com uma secção de 1,5mm2, tendo em conta o consumo usual numa autocaravana e estando toda desenrolada, dificilmente será a causa da deflagração de um incêndio. A causa mais frequente da entrada em combustão das extensões é devida ao facto de ficarem enroladas em vez de serem completamente estendidas. Qualquer cabo eléctrico opõe-se à passagem da corrente eléctrica e opõe-se tanto mais quanto menor for a secção (grossura dos condutores de cobre do cabo). Esta oposição resulta em produção de calor por efeito de Joule, que é tanto maior quanto maior for a corrente eléctrica que por ele passa. Num cabo enrolado numa bobine, o aquecimento é maior nas camadas (espiras) inferiores, porque não estando estas em contacto com o ar, mais dificilmente o calor é dissipado. Se o consumo for baixo o perigo é diminuto mas se ligar um climatizador, ou um aquecedor, ou qualquer outro equipamento de grande consumo, é imperativo ter a extensão toda desenrolada. Se por acréscimo estiver ao sol, ainda mais potenciado fica o perigo de incêndio.

 Infelizmente para a nossa bolsa, para que fiquemos bem servidos pode não ser suficiente ter uma extensão que simplesmente não arda quando está desenrolada. Temos que dar atenção a algo ainda mais importante e que é a eliminação do risco de sermos electrocutados quando estamos ligados à rede. Para isso, tal como nas nossas casas, também na autocaravana há dois requisitos a satisfazer:
 
a)   A carcaça dos aparelhos eléctricos que trabalham a 220V tem que estar bem ligada à terra.
A falta de uma boa ligação à terra representa pouco ou nenhum perigo quando se está no interior da autocaravana, mas essa falta torna-se particularmente perigosa quando, ao sair ou entrar na autocaravana, se está com os pés no solo e uma mão ou outra parte do corpo em contacto com componentes metálicos da autocaravana (por exemplo o chassis). Outras situações de potencial perigo advêm da utilização dos 220V no exterior, com um secador de cabelo, uma cafeteira, um fogão eléctrico, uma lâmpada, etc.

b)   Deve haver um disjuntor diferencial de 30mA para a protecção das pessoas.
Os disjuntores normais que têm na sua autocaravana, limitam-se a cortar a corrente quando há uma sobrecarga, fazendo assim somente a protecção da autocaravana propriamente dita, o que não é de somenos importância. A função dos disjuntores diferenciais é a de cortar a energia caso ocorra uma fuga de corrente, fuga essa que é sinónimo de mau isolamento. Quando a fuga ocorre, o disjuntor diferencial desliga de imediato a energia, impedindo assim que as pessoas sejam electrocutadas ao tocarem num equipamento defeituoso ou em partes metálicas com as quais ele possa estar em contacto como, por exemplo, o chassis.

Como vimos, a protecção contra choques eléctricos depende de uma boa ligação à terra e da existência de um disjuntor diferencial, mas a realidade é que a grande maioria das nossas autocaravanas não tem disjuntor diferencial e sendo a borracha dos pneus um bom isolante, também não está ligada à terra.

Existe então alguma protecção quando ligamos a nossa autocaravana à rede eléctrica?

Talvez sim, talvez não. Tudo depende da extensão que usarmos, porque é através dela que é feita a ligação à terra. A ligação será tanto melhor quanto mais curta for a extensão e mais grossos forem os condutores, isto é, quanto menor for a sua resistência eléctrica. Para que seja garantida a nossa segurança, podemos, em teoria, ter um comprimento máximo de 15 metros para uma extensão com a secção de 1,5mm2 e um comprimento máximo de 25 metros para uma extensão com a secção de 2,5mm2. Porquê?

Porque um disjuntor diferencial só dispara correctamente quando a resistência de ligação à terra não ultrapassa um determinado valor. Uma extensão com mais de 15metros e 1,5mm2 de secção, ou um cabo com mais de 25 metros e 2,5mm2 de secção, apresentam um valor de resistência mais alto do que o admissível para o bom funcionamento do disjuntor diferencial, fazendo com que este possa não disparar em tempo útil, ou não disparar quando atingidos os 30mA de corrente de fuga.
 
O nosso protector é pois o disjuntor diferencial de 30 mA, que é suposto existir, pelo menos um por cada 4 tomadas, nos parques de campismo e nas áreas de serviço para autocaravanas, nos países da UE, mas tal já não é suposto para outros países, pelo que, se quiser a máxima segurança e se for viajar para fora da UE, nada perde em mandar instalar um na sua autocaravana.
 
A sua responsabilidade recai então na escolha da extensão que, para garantir uma boa ligação à terra, deverá ter 3 condutores com uma secção de 2,5mm2 e o comprimento máximo de 25mt. Deverá também ter isolamento reforçado e a robustez necessária para que possa ser pisada pelos rodados das viaturas sem se deteriorar. É uma destas que eu uso.

 Uma extensão adequada para uma autocaravana é uma extensão específica para campismo ou para estaleiros e nunca uma vulgar extensão para um electrodoméstico ou uma maquineta eléctrica de jardim. Caso se queira equipar com uma e não a encontre feita, recomenda-se que a faça ou mande fazer com cabo tipo H07RN-F 3G2,5.

Sabendo já que uma extensão com a secção de 1,5mm2 não deve ter mais de 15 metros, imagine quão desprotegido poderá estar, usando as banais extensões com 50 metros de comprimento e fio de 1,5.

ACREDITE SE QUISER.

Viajante
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
Imprimir
 
Ir para: