Páginas: [1]   Ir para o fundo
Imprimir
Autor Tópico: Vila Praia de Âncora  (Lida 1413 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
PAPA LÉGUAS PORTUGAL
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 465

: Jan, 2010


Sócio Nº 1869


WWW
« Responder #1 em: 03 Out 2011, 13:56 »


Saúde para todos.

Acordos, Tribunal, Acção Política?


Caminha é mais um dos muitos exemplos, pois não é caso único, de uma actuação autárquica criticável.

O nosso Companheiro Autocaravanista, que reside no Concelho e é um dos membros da Comissão Coordenadora da Delegação Regional do Norte do Clube Português de Autocaravanas não deixou de tomar a posição possível, denunciando, corajosamente, a situação injusta com que a vereação de Caminha pretende tratar os autocaravanistas e fê-lo em nome individual, única forma de poder intervir na Assembleia Municipal.

Alguns Companheiros Autocaravanistas preconizam que se procure fazer acordos com as Câmaras Municipais como forma de ultrapassar esta situação. Mas que acordos, pergunto?

Ou defendemos o direito de não serem discriminados negativamente, não só os autocaravanistas, como qualquer outro cidadão, ou prescinde-se desse direito, não o utilizamos e, como sabem, direitos que se não utilizem, são direitos perdidos.

O único acordo possível é exigir, através da persuasão, a reposição do direito que temos a não sermos discriminados negativamente. Abdicarmos do direito à não discriminação negativa é reconhecer que, afinal não temos razão, ao exigirmos que as autocaravanas sejam tratadas como qualquer outro veículo de igual gabarito.

Alguns outros (ou os mesmos) Companheiros Autocaravanistas, muitos que até não estão inscritos em nenhum Clube, consideram que o recurso aos tribunais deve ser da responsabilidade das associações de autocaravanistas, esquecendo (?) que eles o podem fazer individualmente.

O recurso aos tribunais para dirimir este tipo de abusos é moroso ao ponto de prever que com eventuais recursos possa ter uma sentença ao fim de uns longos anos. Poderão passar dois ou três mandatos das Direcções das entidades que recorressem aos tribunais e sem garantia de uma sentença satisfatória para os autocaravanistas.

Também o acesso aos tribunais implica custos, não só de advogado, como de custas do processo, que pode ser bastante elevado para permitir recurso, pelo menos até à Relação e a maioria das associações vocacionadas para o autocaravanismo não têm capacidade financeira para o fazer. E as que têm capacidade financeira poderão ter que se preocupar com a situação económica das respectivas associações relativamente a um futuro próximo.

Não me parece, nestas circunstâncias, que a questão possa vir a ser resolvida juridicamente. A não ser que, no seio do Movimento Autocaravanista, haja algum advogado disponível para, sem honorários, levar esta questão à barra dos tribunais.

Entretanto, a luta, porque de uma luta se trata, tem que ser resolvida politicamente, através da acção dos autocaravanistas individualmente considerados e coordenada, em unidade, pelas entidades que defendem, ou venham a defender, a aplicação prática da Declaração de Princípios da Plataforma de Unidade.

Saudações Autocaravanistas

Registado

Parar. Parar não paro.
Se a coerência custa caro,
Eu pago o preço.

(Citação livre de Sidónio Muralha)
*************
BLOGUE:     www.papa-leguas-portugal.blogspot.pt
EMAIL:        papa.leguas.portugal@gmail.com
Paulo Moz Barbosa
Administrador
Membro de Mérito
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 330

: Jan, 2010


Sócio 1882


« em: 02 Out 2011, 23:46 »

Boa noite,

Foi com muito prazer que na sexta feira passada assisti à intervenção de um munícipe, que é membro da Delegação Regional do Norte do CPA, na Assembleia Municipal de Caminha. Estava muito bem elaborada e tocou no que de essencial o Clube Português de Autocaravanas e o movimento autocaravanista tem vindo a defender.
Percebeu-se o recuo que a Sr.ª Presidente da Câmara teve em relação às declarações que tinha proferido no programa radiofónico onde justificou a proibição de estacionamento de AC no parque que é guardado e explorado pelos bombeiros de Vila Praia de Âncora.
Todos percebemos as razões que a levaram a tal proibição. São recorrentes a muitos autarcas, que assim se tentam ver livres de um problema, que infelizmente é usual: AC estacionadas dias e dias a fio no mesmo local, despejo das águas cinzentas e negras nas sarjetas, e mesmo práticas de campismo à vista de todos. As populações, e mesmo a GNR, queixam-se e, em vez de haver a tal mão pesada como foi referido nessa intervenção para esses prevaricadores, sai um sinal de proibição para todos.
Quero chamar a atenção que a Sr.ª Presidente teve algumas palavras de elogio à ação dos que, como o referido munícipe, estão do lado dos cumpridores e incentivou-os a continuarem a sua luta, apoiados pelos respetivos clubes.
Também a Sr.ª Presidente foi lembrando que há muitos outros locais fora da linha do mar para estacionamento de AC e que iria manter a sua posição de proibir as AC no parque já referido.
Ponderando tudo o que se passou sou de opinião de que deve ser aproveitada esta abertura para um diálogo mais "cara a cara" onde novamente os pontos fortes da intervenção do munícipe devem ser apresentados. E porque não imprimir a Declaração de Princípios já subscrita pelo CPA para que a Sr.ª Presidente fique ainda mais elucidada sobre o que nos move?
E, por último, chamo a sua atenção para o post do Papa Léguas, neste fórum, sobre a interpretação a dar à questão da aceitação, ou não, da sinalética discriminatória de proibição de estacionamento de AC.

Um abraço,
« Última modificação: 02 Out 2011, 23:48 por Paulo Moz Barbosa » Registado

Paulo Moz Barbosa
(presidente da direção)

(viajo numa Hymer Camp 622 C)
Páginas: [1]   Ir para o topo
Imprimir
 
Ir para: