Páginas: [1]   Ir para o fundo
Imprimir
Autor Tópico: Os símbolos  (Lida 195 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
PAPA LÉGUAS PORTUGAL
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 460

: Jan, 2010


Sócio Nº 1869


WWW
« em: 12 Jan 2017, 21:41 »


Imagem obtida em 365psd

OS SÍMBOLOS


Um só homem pode fazer a diferença, mas não faz a mudança.

Afirmava Aristóteles que o homem, para viver isolado, só se for um bruto ou um deus. Desde tempos imemoriais que o homem se relaciona, se une, pelos mais diversos meios a outros homens para juntos alcançarem o que pretendem, nomeadamente para modificar o meio ou a forma como vivem.

O viver em sociedade obriga a ter uma forma organizativa e objectivos comuns. As associações são pequenas (?) formas de colectivamente se alcançar um ou mais objectivos comuns que o homem individualmente não consegue. Assim, a união em torno de associações autocaravanistas, organizadas, contribui para que melhor sejam defendidos  os direitos, interesses e regalias da modalidade e se alcancem as mudanças inovadoras a que as sociedades modernas obrigam.

Já a não associação pode  corresponder (e normalmente corresponde) a uma forma de individualismo  egoísta  de quem não participando activamente nas soluções se vem, no futuro, aproveitar do trabalho desenvolvido por outros. Mas, são esses mesmos, que “de fora” não hesitam em criticar de forma soez as derrotas, mas que correm para as primeiras filas aplaudindo os êxitos,  como se deles fossem, e para os quais não contribuíram minimamente


Dar a vida por um símbolo

Contudo, o homem não é só um animal social. É também um ser para quem a simbologia é importante, tão importante que dá a vida para defender os símbolos que representam um “bem superior”. Ao longo da história da humanidade temos exemplos desses martírios em pessoas que (por exemplo) preferem a morte a cuspir numa cruz (enquanto símbolo cristão) ou que para não perderem para o inimigo a bandeira (enquanto símbolo da pátria) se deixam decepar até à morte.

Mesmo pondo de lado as situações extremas, os símbolos estão sempre presentes nas sociedades, mesmo nas mais modernas. A aliança (anel que simboliza casamento), as flores (e os diferentes significados), os gatos pretos (e as superstições azarentas), as marchas, os hinos e muitos, muitos mais símbolos, mesmo os mais prosaicos (sinais de trânsito, proibição de fumar, está a ser filmado, sorria…) são uma presença constante nas sociedades.

É por essa necessidade de ter símbolos que alguns são aprovados e consignados em normas de cariz mundial, nacional, regional e, até, associativo.


A Marcha do CPA

A “Associação Autocaravanista de Portugal – CPA” não é, relativamente ao que atrás é dito, uma excepção.

O CPA nasce, embora possa não parecer, INICIALMENTE pela necessidade de colectrivamente melhor se criarem condições à práctica do campismo em autocaravana e, POSTERIORMENTE, de forma organizada, evoluiu para desenvolver formas  de turismo em autocaravana. No entanto, aplauda-se o facto de nunca os  dirigentes do CPA, ao longo dos anos, terem renegado as origens da associação, conforme o comprovam os Estatutos revistos e aprovados em 2012 que consideram que o campismo é TAMBÉM um dos objectivos da associação.

E o CPA  não é  também excepção quando aprova em Assembleia Geral dois símbolos: a bandeira e o símbolo identificativo da associação. No entanto, até à presente data, o CPA  não tem, pois nunca o aprovou em Assembleia Geral e, tanto quanto sei nunca foi aprovado em reunião de Direcção, um outro importante simbolo: o Hino do CPA

Embora não seja dessa época, em data que desconheço, foi criada a MARCHA DO CPA, salvo erro com música de Júlio Costa e letra de Rosa Maria  (ver o vídeo AQUI). A Marcha, nitidamente datada e que marca uma época do CPA, foi cantada em muitos dos eventos e tem a seguinte letra:

                                                              Vamos todos sobre rodas,
                                                              as rodas nos vão levar
                                                              por esses caminhos fora,
                                                              vem connosco acampar.
                                                              Vamos pela estrada fora,
                                                              nesta senda caminhemos,
                                                              e à noite, junto ao fogo,
                                                              ao CPA cantaremos.

                                                              Ao frio, à chuva e ao sol,
                                                              estaremos com certeza
                                                              convivendo como irmãos
                                                              e amando a natureza.
                                                              Amigo e companheiro,
                                                              junta-te a nós e verás
                                                              como é bom viver a vida
                                                              que o campismo nos traz.

                                                              Vamos todos sobre rodas,
                                                              as rodas nos vão levar
                                                              por esses caminhos fora,
                                                              vem connosco acampar.
                                                              Vamos pela estrada fora,
                                                              nesta senda caminhemos,
                                                              e à noite, junto ao fogo,
                                                              ao CPA cantaremos.

                                                              Lá, lá, lá …………………..
                                                              …………………………….
                                                              …………………………….
                                                              Vamos pela estrada fora,
                                                              nesta senda caminhemos,
                                                              e à noite, junto ao fogo,
                                                              ao CPA cantaremos.


Os hinos são imutáveis?

Dirão os puristas do  autocaravanismo que a letra está desadequada ao que, pelo menos desde 2010, o CPA é. Admitamos que sim. Que as palavras “acampar” e “campismo”, que constam da letra da marcha, já não representam a essência do novo CPA. Mas, não é verdade que os hinos são muitas vezes datados, porque escritos numa determinada época e num determinado contexto?

Tomemos como exemplo o Hino Nacional, ”A Portuguesa”, aprovado após a implementação da República, em 1911 pela Assembleia Constituinte, mas que foi composto 20 anos antes, em 1890, como reação dos republicanos ao Ultimato Inglês e à humilhação sofrida por Portugal.

O que muitos portugueses ignoram é que a parte final do actual Hino Nacional tinha a seguinte redacção:

                                                                                                   Às armas, às armas!
                                                                                                   Sobre a terra, sobre o mar,
                                                                                                   Às armas, às armas!
                                                                                                   Pela pátria lutar!
                                                                                                   Contra os Bretões!
                                                                                                   marchar, marchar!
                                                                                                                                                      (Sublinhado meu)

“Bretões”, nome dado aos ingleses, foi posteriormente substituído por “canhões”. Aliás, o Hino Nacional, já na letra, já na música, veio sendo alterado até à versão actual aprovada em 1957, versão que é consignada na actual Constituição da República.

Se mesmo os Hinos Nacionais de um País podem ser adaptados, sem perderem a carga simbólica que tiveram junto das gerações que os viram nascer, porque não pode a “Marcha do CPA” ser alterada e aprovada em Assembleia Geral como “Hino do CPA”? Porque não substituir “acampar” por  “passear” e “campismo” por “turismo”?







(O autor, todas as Quintas-feiras, no Blogue do Papa Léguas Portugal, emite uma opinião sobre assuntos relacionados com o autocaravanismo (e não só) – AQUI)






Registado

Parar. Parar não paro.
Se a coerência custa caro,
Eu pago o preço.

(Citação livre de Sidónio Muralha)
*************
BLOGUE:     www.papa-leguas-portugal.blogspot.pt
EMAIL:        papa.leguas.portugal@gmail.com
Páginas: [1]   Ir para o topo
Imprimir
 
Ir para: