Páginas: [1]   Ir para o fundo
Imprimir
Autor Tópico: Campismo quer lei para 'disciplinar' autocaravanas  (Lida 1625 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
infoCPA
Administrador
Hero Member
*****
Mensagens: 1 201

: Dez, 2008



WWW
« em: 03 Dez 2016, 08:44 »

A edição do EXPRESSO do passado fim de semana dedicou um artigo ao autocaravanismo. Aí se propala a visão dos proprietários dos parques de campismo do Alentejo e Algarve.
Por haver várias inverdades e um completo desrespeito pelo turismo itinerante, a direção do CPA enviou ao diretor do semanário a carta que se reproduz, e que até ao momento não teve visibilidade:

Ex.mo Sr. Diretor do Expresso,

No caderno Economia do Expresso de hoje (26 de novembro de 2016) saiu um artigo, assinado pela jornalista Conceição Antunes, com o título acima.
Pelo facto da Associação Autocaravanista de Portugal - CPA representar perto de um milhar de autocaravanistas, que contribuem com a sua conduta para o bom nome deste tipo de turismo itinerante, vimos junto de V. Exª apresentar a outra face da moeda.
Numa primeira nota permita que chamemos a atenção para o facto de ser apresentado um sinal que pretende dar a conhecer a proibição de estacionamento de reboques de campismo entre as 20h de um dia e as 08h do dia seguinte e ao lado estar uma autocaravana, transmitindo ao leitor a ideia de que um reboque de campismo e uma autocaravana estão sujeitas ao mesmo tipo de legislação. Puro engano: um reboque de campismo é um atrelado enquanto uma autocaravana é um veículo motorizado, podendo ser ligeiro ou pesado em função do seu peso e a que tal sinal não se aplica.
A Associação dos Parques de Campismo do Alentejo e Algarve (APCAA) parte do princípio de que quem circula em autocaravana deverá ter de pernoitar nos seus parques de campismo porque de outro modo estará a lesar o Estado. Idêntico raciocínio teria de levar o Estado a obrigar todos os veículos a circular nas autoestradas porque as outras vias são gratuitas. Esquecem-se os responsáveis da APCAA que uma autocaravana paga imposto de circulação, está sujeita às mesmas regras de inspeção que qualquer outro veículo motorizado e que para circular tem de utilizar combustível, pagando os respetivos impostos.
É verdade que há proprietários de autocaravanas que “despejam sanitas químicas em dunas, praias e locais protegidos” sem que sejam devidamente reprimidos pelas autoridades com as coimas já previstas na legislação, tal como as que se praticam em Espanha ou na Holanda. Nestes casos a aplicação da legislação existente, mesmo que alterada pontualmente para que o pagamento da coima seja imediato, resolve o problema sem importunar quem cumpre com todos os requisitos legais em vigor.
Voltando à analogia das autoestradas, será que a APCAA pretende que as mesmas sejam encerradas pelo facto de haver proprietários de automóveis que desrespeitam os limites de velocidade e não cumprem com o que está definido no Código da Estrada?
Mas, Sr. Diretor, o verdadeiro problema não é de facto o que é relatado acima, mas o que é pedido pela APCAA na fase final do artigo: “o alojamento em bungalows deve ser alargado a 50% da sua área total (atualmente de 25%)…”.
Como podem os atuais 300 parque de campismo recolher obrigatoriamente as cerca de 100 000 autocaravanas que circulam entre nós em julho e agosto? Vai Portugal proibir a entrada de autocaravanas por não haver parques de campismo suficientes? Ou vamos aguardar que os mesmos sejam construídos para abrir as fronteiras?
Sabendo-se que muitos dos atuais parques de campismo não possuem Estações de Serviço para Autocaravanas para o despejo de águas cinzentas e cassetes químicas, nem espaços próprios para a pernoita (solo plano e resistente ao peso), vem agora o pedido para reduzir para metade o pouco espaço existente.
Há aqui muita incongruência e a única razão para tanto azedume é simplesmente um problema de tesouraria.
Fica o nosso desafio à APCAA: crie condições para receber condignamente os autocaravanistas nos parques de campismo e verá de imediato os resultados. Não é proibindo o que o Código da Estrada permite que se regula este setor turístico.
A maioria das autocaravanas circula com duas pessoas seniores que frequentam restaurantes, visitam museus, monumentos e ativam a economia local como qualquer outro turista.
Finalizamos com um desafio ao Expresso para que seja realizado um debate sobre este tema para o qual nos disponibilizamos desde já.

Queira aceitar os nossos melhores cumprimentos e as nossas
                Saudações Autocaravanistas


A direção
« Última modificação: 03 Dez 2016, 08:56 por infoCPA » Registado

Associação Autocaravanista de Portugal - CPA
Portugal
Páginas: [1]   Ir para o topo
Imprimir
 
Ir para: