Páginas: [1]   Ir para o fundo
Imprimir
Autor Tópico: ACREDITE SE QUISER - As parabólicas e a Realidade Aumentada  (Lida 14502 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« Responder #4 em: 12 Ago 2017, 23:02 »

Companheiro,

Para ver TV Satélite necessita:

1-Uma antena parabólica que é apontada para um dos muitos satélites que cobrem a Europa

2-Um receptor Universal. Os receptores universais de TV Satélite captam centenas de canais descodificados, gratuitos, difundidos por dezenas de satélites (Astra, Eutelsat, Hotbird, etc.), em diversas línguas, mas pouco ou nada em Português.

3-Para receber canais falados ou legendados em Português, necessita de um receptor de canais codificados, vulgarmente designado por BOX. Os canais falados ou legendados em Português não são de sinal aberto, são codificados e portanto são pagos.

Em resumo:
- Para vêr canais gratuitos em Espanhol, mas principalmente em Inglês, Alemão, Françês, Árabe, e noutras línguas, necessita de um receptor Universal e aponta a antena para um dos vários satélites que cobrem a Europa.
- Para ver canais em Português tem que usar uma BOX. A BOX recebe e descodifica os canais em Português mediante o pagamento de uma mensalidade ao operador (NOS, MEO, etc.) e tem que apontar a antena para o satélite Hispasat.
Registado
AAbreu
Sócio do CPA
*
***
Mensagens: 2

: Out, 2016

sócio nº 2523


« Responder #3 em: 12 Ago 2017, 19:09 »

Agradeço imenso a sua explicação, e realmente quando não tinha sinal não estava em campo aberto. E quanto a apanhar outros satélites, disseram-me que preciso de um aparelho para isso, ou só apanho o satélite espassat? Mais uma vez lhe agradeço, quem sabe não nos encontraremos por essas estradas
Registado
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« Responder #2 em: 12 Ago 2017, 08:50 »

Companheiro Abreu,
Os pacotes de TV satélite, independentemente de serem MEO ou NOS, são transmitidos pelo satélite Hispasat pelo que é para este que a antena parabólica deve ser apontada.
Entre a parabólica é o satélite não pode haver nenhum obstáculo ((árvores, prédios, elevações do terreno, etc.), isto é, a linha de vista tem que estar completamente desimpedida. Nos parques de campismo, habitualmente arborizados, é muito difícil encontrar uma linha de vista desimpedida que permita receber a TV satélite.
Aquilo a que chama cabeçote e que se chama LNB da antena, deve estar "torcido" e o grau angular dessa "torção varia em função da zona geográfica. Para saber em que ângulo deve colocar o LNB, basta olhar para qualquer outra parabólica MEO ou NOS e pôr da mesma maneira.
Registado
AAbreu
Sócio do CPA
*
***
Mensagens: 2

: Out, 2016

sócio nº 2523


« Responder #1 em: 11 Ago 2017, 19:35 »

Li com atenção o que escreveu, mas como sou inexperiente nisto, gostaria de lhe pôr uma questão: adquiri um parabólica Stanline para a minha autocaravana e adquiri um pacote da NOS. Moro em Viana do Castelo e a primeira vez que fui a Almada e a Sesimbra nada de parabólica não fixava o sinal. Em Ponte de Lima aconteceu-me o mesmo. te4lefonei para quem a colocou e disse-me que debaixo duma árvore nenhuma dá e ela estava com o ajuste (deu um nome qualquer que eu chamo cabeçote da antena) para 300km fui lá e reajustou segundo ele. Isto é verdade? Perdoe-me esta questão mas isto faz-me espécie. Além disto será que só poderei apanhar o satélite da NOS? Não haverá algum aparelho que me faça apanhar mais algum satélite?
Registado
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« em: 13 Dez 2011, 23:22 »



ACREDITE SE QUISER – As Parabólicas e a Realidade Aumentada

A Realidade Aumentada é definida como a integração de informações virtuais a visualizações do mundo real (1).

Todos os dias aparecem novas aplicações de Realidade Aumentada, mas vamos por agora debruçar-nos sobre uma aplicação de particular interesse para os autocaravanistas, na medida em que pode dar uma boa ajuda na orientação das antenas parabólicas manuais ou nas parabólicas automáticas quando há dificuldade de captação do satélite, como poderá ser o caso quando se viaja para destinos longínquos ou se possui parabólicas de pequeno diâmetro.

MODO AUTOMÀTICO
Se ainda não aconteceu a sua parabólica ficar a rodar incessantemente, certamente já viu outros companheiros com este problema. Há diversas causas para que uma antena parabólica não consiga fixar-se no satélite e a primeira dúvida a desfazer é se há linha de vista entre a antena e o satélite, isto é, se não há nenhum obstáculo próximo interposto entre os dois. Para isso, o melhor é esquecer bússolas e inclinómetros e recorrer à tecnologia.

Graças uma aplicação de Realidade Aumentada para Smartphones  Android ou iPhone, a aplicação DP AR Pro  www.dishpointer.com  permite-lhe desfazer essas dúvidas, desde que, como é evidente, a tenha previamente instalada no seu smartphone.

Cabe a si escolher fazer essa verificação de linha de vista desimpedida antes de decidir o local em que vai ficar estacionado, ou fazê-lo posteriormente caso a antena não se fixe. Vamos ver como fazer para a Zon TV Cabo ou Meo, que são transmitidos via satélite Hispasat e cuja posição orbital é de 30 graus W.

O Sul é o ponto de referência para os satélites e corresponde a zero graus, mas em azimute (4) corresponde a 180 graus. Estando o Hispasat localizado para Oeste em mais 30 graus a partir do Sul, teremos então o azimute de 180+30= 210 graus.

Fora da autocaravana e com o telemóvel na horizontal, aponte grosseiramente para sul e rode sobre si mesmo até a bússola interna indicar o azimute de 210 graus no rodapé do ecrã. Eleve o telemóvel para a posição vertical ou um pouco mais e eis, a vermelho, a visão da cintura de satélites no céu e tudo o que se interpõe entre si e o satélite pretendido, quando este é posicionado no centro do ecrã.

Tendo apontando para o azimute de 210 graus, o Hispasat aparecer-lhe-á no centro do ecrã. Fica assim a saber, com absoluta certeza se, do ponto geográfico em que se encontra, pode ou não captar o satélite. Se a câmara do telemóvel mostrar que há um obstáculo, ou renuncia a ver televisão ou procura um lugar desimpedido.
Esta aplicação é particularmente útil nos parques de campismo, porque sendo geralmente muito arborizados, pode ser muito difícil sem este meio identificar as nesgas entre as copas das árvores com visibilidade do satélite.

Verificando que não há qualquer obstáculo interposto entre a antena e o satélite e que você não consegue que a antena se fixe, tem que se pôr em causa o seguinte:

1 – Enviesamento (Skew) (3) do LNB (2) desajustado, originando recepção inconsistente e/ou não expectável.
Ajuste do enviesamento do LNB disponível em: http://www.satlex.it/pt/azel_calc.html

Sendo necessário um escadote para fazer o ajuste, é altamente recomendável que o faça antes de iniciar viagem.

Nota: Ao consultar o “site” acima referido, tenha em atenção que, quando se posiciona de frente para a antena, a posição do LNB  é        simétrica à que é mostrada no desenho. Visto de frente, o LNB está sempre rodado para uma posição entre as 3 e as 6 horas. Para o     Hispasat, em Portugal, o LNB deve estar rodado para próximo das 5 horas.

2 – Cabos da antena com mau contacto. A trepidação pode levar ao desencaixe de fichas e consequentemente a maus contactos no receptor/unidade de comando. Tenha especial atenção em aconchegar o cabo coaxial.

3 – Diâmetro do prato demasiado pequeno para a zona geográfica em que se encontra. Para que não lhe ocorra pedir o impossível, certifique-se que o diâmetro da antena permite a captação do satélite que pretende, consultando o “footprint” (5), que para o Hispasat pode encontrar em:  http://www.lyngsat-maps.com/maps/hispa1c_eur.html

4 – Causas meteorológicas que são visíveis a olho nu, como sejam as nuvens e a chuva.

Nota: - Em situações de trovoada ou vento forte, é aconselhável baixar a antena.


MODO MANUAL

Por vezes não se consegue fixar a antena no satélite em modo automático, mas consegue-se encontrá-lo em modo manual. Se tiver paciência para o fazer, siga os seguintes passos:


a)-Comece por verificar que a autocaravana está bem nivelada. Pode fazê-lo também com o smartphone.

b)-Aponte o telemóvel ao satélite, centre-o no ecrã e anote a elevação que aparece em rodapé.

c)- Memorize visualmente o azimute do satélite.

d)-Ligue o televisor ou, caso use, o localizador de satélites (satfinder).

e)-Coloque a antena em modo manual (poderá ter que recorrer ao manual de instruções para recordar como se faz) e incline a antena para o valor de elevação que verificou no ecrã do telemóvel e que anotou. Tenha em atenção que o valor da elevação indicado pela antena, pode ser falso se a autocaravana não estiver bem nivelada.

f)-Rode a antena para a direcção aproximada em que está o satélite e que memorizou. Faça um varrimento lento de uns 90° para um e outro lado e vai encontrar o sinal no seu televisor ou no localizador de satélites.

g)-Depois de encontrar o sinal, procure melhora-lo fazendo pequenos ajustes em elevação e em azimute.

Se nem assim conseguir encontrar algum satélite, é porque alguma coisa está avariada.

Retenha:

- É muito importante que, logo que possa, faça o ajuste do enviesamento do LNB (skew).

- Use e abuse do “smartphone” para confirmar que há linha de vista com o satélite.

- Encontrar um satélite manualmente, depende em 99,9 % da correcta elevação da antena.


ACREDITE SE QUISER.

Viajante

(1)- Wikipédia  http://pt.wikipedia.org/wiki/Realidade_aumentada
(2)- LNB – Low Noise Block Converter ou Conversor de Baixo Ruído. Está localizado à frente do prato e a ele liga um cabo branco (cabo  coaxial).
(3)-Enviesamento (Skew) – Posição angular (de viés) do LNB no suporte mecânico.
(4)-Azimute - É uma direcção, que pode ser definida em graus, correspondendo o Norte geográfico a zero graus e cujo valor aumenta no sentido dos ponteiros do relógio.
(5)-Footprint – Gráficos das diferentes intensidades de sinal para uma zona geográfica.
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
Imprimir
 
Ir para: