Páginas: [1]   Ir para o fundo
Imprimir
Autor Tópico: ACREDITE SE QUISER - O "booster"  (Lida 23087 vezes)
0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« Responder #10 em: 25 Mai 2015, 16:59 »

Companheiro João Ferraz,

Mandei-lhe uma mensagem privada.

Este trabalho obriga a um pequeno projeto e tem obrigatoriamente que ser executado por um competente eletricista de automóveis, que hoje em dia não abundam, muito menos em empresas de autocaravanas. No entanto ainda existem.

Viajante
Registado
Joaoferraz
Sócio do CPA
*
***
Mensagens: 1

: Fev, 2015

Sócio Nr.2341


« Responder #9 em: 25 Mai 2015, 11:50 »

Olá,

Sendo insuficientemente dotado para montar um equipamento destes sozinho gostaria de saber se é possivel encomendar a montagen a alguma oficina que recomendem?

Obrigado
Registado
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« Responder #8 em: 18 Abr 2014, 23:19 »

INSTALAÇÃO DE BOOSTER EM AUTOCARAVANA
EQUIPADA COM QUADRO DE COMANDO E DISTRIBUIÇÃO
CBE-DS300

 
Passando da teoria à prática, complementei o painel solar de 100W que tenho no tejadilho da autocaravana, com um carregador de baterias DC/DC de 25 A.

Este carregador de baterias, habitual e incorretamente designado por booster, foi integrado num ambiente elétrico do fabricante CBE que equipa, entre outras marcas de autocaravanas, a AIE, Benimar, Carthago, Challenger, Chausson, Concord, Elnagh, Eura Mobil, Explorer, Hobby, knaus, Koning, La Strada, Miriad, Niesman+Bischoff, Rapido, Weinsberg, Wingamm, Winnebago.

O booster de carga de baterias, assim como o painel solar, são equipamentos que cativam a nossa atenção por não terem mais custos do que os que advém da sua instalação: - Nem o painel solar tem que pagar o sol que recebe, nem o booster provoca aumento do consumo de combustível da autocaravana.
 
Não confundir um booster de carga de baterias com um booster de motor de arranque, pois são equipamentos muito distintos e para finalidades diferentes.

A instalação deste equipamento visa, no meu caso, melhorar a autonomia de energia elétrica nos dias cinzentos de inverno, altura em que os painéis solares de pouco ou nada servem e em que as exigências de energia aumentam substancialmente, principalmente, como é o meu caso, com uma chauffage a gasóleo que é grande consumidora de energia elétrica.

Para poder fazer face às exigências do consumo noturno sem grandes restrições, é imprescindível que, quando terminada uma etapa diária, mesmo que curta, as baterias auxiliares estejam carregadas a 100%. O alternador carrega a bateria de arranque rapidamente e na totalidade mas, por mais longa que tenha sido a etapa, o máximo que se consegue para as baterias auxiliares é uma carga da ordem de 70 a 80%. A carga completa só se consegue com um carregador DC/DC, vulgarmente designado por booster, que indo buscar a energia ao alternador, eleva a voltagem para os valores adequados à carga de baterias de descarga lenta e com essa adequação carrega as baterias auxiliares a 100%, com a curva de carga IUoU preconizada pelos fabricantes de baterias, num tempo relativamente curto.

 O fabricante do booster Votronic, recomenda que se retire o relé separador de baterias e que em seu lugar seja colocado eletricamente o booster. Alternativamente propõe, caso não seja possível retirar o relé, intercalar o booster entre o relé e as baterias auxiliares.

Qualquer uma destas duas soluções aniquila a possibilidade de:

a)- Carregar a bateria de arranque a partir do carregador de 220V ou a partir do painel solar.

b)- Poder extrair a máxima corrente do alternador para que, através de um conversor 220V, possa alimentar equipamentos de grande consumo, embora de curta duração, tais como micro-ondas, máquina de café espresso, etc.

 Estes equipamentos, que consomem na ordem dos 100 A, também podem ser alimentados através do booster mas, como este limita a corrente a 25 A, as baterias auxiliares terão que fornecer os restantes 75 A em falta, o que representa um esforço muito pouco saudável para as baterias. Através do relé separador de baterias o limite de corrente do alternador é a sua própria capacidade, pelo que este fornecerá a parte de leão, sendo ínfima a parte das baterias
.
Queremos o booster para carregar bem e rapidamente as baterias auxiliares e não queremos o booster quando precisamos do contributo do alternador para alimentar o micro-ondas, ou a máquina de café, ou ainda quando queremos carregar a bateria de arranque a partir do alternador de 220V ou a partir do Painel Solar.

Para dar cabal resposta a estas exigências, não implementei nenhuma das sugestões apresentadas pela Votronic e optei por manter inalterado o circuito do relé separador de baterias e por conceber uma pequena caixa de comando cujas funcionalidades são:

1)- Sempre que o motor é posto em funcionamento é acionado automaticamente o relé separador de baterias, que põe em paralelo o conjunto alternador + bateria de arranque com as baterias auxiliares.

2)- Estando o motor em funcionamento, as baterias auxiliares podem ser carregadas via booster premindo o botão ON na caixa de comando. Atraca então o relé auxiliar (RL)que desvia o sinal D+ do relé separador de baterias para o booster, através dos contactos (RLa).
 
3)- Ao ser premido o botão OFF, a carga de baterias auxiliares via booster é de imediato desativada e a carga passa a ser feita novamente via circuito de origem, ou seja, pelo relé separador de baterias.
 
Em resumo: -Por defeito, a carga das baterias auxiliares pelo alternador, é feita automaticamente via circuito relé separador de baterias e só é feita pelo booster mediante comando manual. A ordem de funcionamento do booster é desfeita automaticamente sempre que o motor é parado ou manualmente quando o botão OFF é premido. O booster e o relé de separação de baterias funcionam sempre em alternância e nunca em simultâneo.

Os primeiros testes, muito sumários, corresponderam a todas as expectativas e as primeiras medições feitas com o motor ao relanti, deram um valor de amperagem de carga das baterias auxiliares de 3,5 A via relé separador de baterias e de 16 A alguns segundos depois de ser ter pressionado o botão ON na caixa de comando. É animador.

Seguem-se os testes de endurance no decorrer do próximo passeio do CPA ao Minho Litoral.

Apresento abaixo o esquema de princípio, foto de montagem em curso, foto de montagem terminada e uma foto da caixa de comando ainda inacabada.



ESQUEMA DE PRINCÍPIO



MONTAGEM EM CURSO




MONTAGEM TERMINADA




CAIXA DE COMANDO (inacabada)




Viajante








Registado
Viegas
Sócio do CPA
Membro Júnior
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 12

: Abr, 2007

Sócio Nº 675


« Responder #7 em: 29 Jan 2014, 23:28 »

Viva,
Obrigado pela ideia, que é interessante, mas já me decidi por montar painel na AC. O armazém tem luminosidade suficiente e assim tiro também proveito quando a utilizo.

Saudações,
Viegas
Registado

Vitor Viegas
Porto
CCBS Energia
Membro Júnior
**
Mensagens: 5

: Out, 2013


« Responder #6 em: 28 Jan 2014, 13:38 »

Caríssimo,
Haverá alguma possibilidade de solicitar ao proprietário do armazém onde guarda a autocaravana de ter acesso a telhado para colocar um pequeno painel? Sabemos que mesmo que isso seja possível pode não ser practico no entanto aconteceu o mesmo com a nossa empresa e conseguimos ter autorização do senhorio para o fazer com algum sucesso.
Saudações cordiais
CCBS Energia
Registado
Viegas
Sócio do CPA
Membro Júnior
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 12

: Abr, 2007

Sócio Nº 675


« Responder #5 em: 06 Jan 2014, 19:18 »

Caro Viajante,

Agradeço a atenção e os conselhos, mas apesar dos méritos dos corta corrente, não é a solução para mim.
Eu necessito de ter sempre corrente para manter ligado o sistema Cartrack, que me dá muita segurança.
Como disse, no mínimo de 15 em 15 dias, saio com ela e normalmente não tenho problema. Digamos que desta vez estiquei
demais a corda ao ficar 20 dias com ela parada.
Vou ponderar e investigar mais na tentativa de encontrar algo novo ou então o tal "arrancador" para "aquelas ocasiões".
Um abraço,

Viegas
Registado

Vitor Viegas
Porto
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« Responder #4 em: 06 Jan 2014, 11:50 »

Bom dia companheiro Viegas,

Lamento dizer-lhe que o local onde guarda a autocaravana não tem as condições de luz natural que permitam a carga das baterias com painéis solares.

Quando a autocaravana fica guardada no armazém, a bateria de arranque, assim como a bateria da célula, sofrem uma auto-descarga que é mais intensa quando as baterias se aproximam do fim de vida. A par disso, há sempre um consumo resultante de equipamentos que permanecem ligados ou em" standby" tais como alarme, auto-radio ou a central eletrónica da própria viatura.

Partindo do pressuposto que a sua bateria não está em fim de vida, a maneira mais eficaz de resolver o problema da descarga devido ao consumo permanente é instalar um corta corrente. Se o fizer, as baterias vão continuar a descarregar por auto descarga, mas muito mais lentamente. Tenha também em conta de que no inverno a auto descarga das baterias é substancialmente maior do que no tempo quente.
 
O corta corrente é a solução que eu próprio adotei em todas as autocaravanas que tive e na que tenho presentemente, quer para a bateria da célula, quer para a bateria de arranque. Quando arrumo a autocaravana desligo tudo, absolutamente tudo, pois também já fui confrontado com esse problema.

Viajante

   
Registado
Viegas
Sócio do CPA
Membro Júnior
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 12

: Abr, 2007

Sócio Nº 675


« Responder #3 em: 06 Jan 2014, 00:41 »

Caro Viajante,

O problema é que guardo a AC a 10 Km de casa num armazém.
Pelo menos de 15 em 15 dias, saio com ela. Já estou reformado e há que aproveitar!!!!!!
Acontece que em Dezembro, ficou sem sair 20 dias e quando lá cheguei estava a 11,5 V e já não virou.
Será que conseguia resolver o problema com um ou dois painéis solares? O armazém tem um pé direito alto e boa
luz natural através de telha translucida.
Não sei se serão as condições ideais, que acham?

Viegas
Registado

Vitor Viegas
Porto
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« Responder #2 em: 05 Jan 2014, 12:00 »

Companheiro Viegas,

Há muitos dispositivos eletrónicos denominados booster.
O booster a que me referi anteriormente não é o booster destinado a auxiliar a bateria de arranque.
Na minha opinião, o uso do booster de arranque só deve ser usado como último recurso e não por sistema. É conveniente manter as baterias sempre carregadas, seja a partir da rede elétrica ou com painéis solares ou ainda pondo periodicamente o motor a trabalhar.

Viajante
Registado
Viegas
Sócio do CPA
Membro Júnior
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 12

: Abr, 2007

Sócio Nº 675


« Responder #1 em: 05 Jan 2014, 01:23 »

Viva,
Estou a ponderar a compra de um "booster" de arranque de bateria, como solução para poder por a AC a funcionar.
Gostaria de saber opiniões sobre este assunto.
1º - Se existe melhor solução para quando vamos pegar na AC e a bateria não tem carga suficiente para a por a trabalhar.
2º - Se o "booster" é a melhor solução, alguém pode ajudar com a sua experiência e indicar qual a melhor aquisição para por a funcionar uma bateria de 95A (julgo que é esse o valor) ?

Saudações,
Victor Viegas
Registado

Vitor Viegas
Porto
Viajante
Sócio do CPA
Membro de Mérito
***
Sexo: Masculino
Mensagens: 104

: Jun, 2007


Sócio Nº 798


« em: 20 Nov 2011, 13:27 »



ACREDITE E SE QUISER – “O booster”

Para os autocaravanistas que habitualmente ficam vários dias imobilizados fora dos parques de campismo, ou ainda para aqueles cujo local de recolha da autocaravana é a descoberto e não disponham de energia da rede, os painéis solares são altamente recomendados.

Mas, um painel solar de pouco ou nada serve a quem pratica um tipo de autocaravanismo predominantemente itinerante, isto é, se tiver o hábito de não permanecer mais que uma ou duas noites no mesmo local.

O que o autocaravanista itinerante necessita, em termos de energia eléctrica, é que, uma vez concluída a etapa diária, seja ela longa ou curta, tenha a bateria auxiliar plenamente carregada, para que possa usufruir de todas as mordomias a que tem direito (iluminação, exaustão, ventilação, televisão, home cinema, bombagem e não só).
 
Desgraçadamente, o alternador nunca carrega a bateria auxiliar a 100% e dependendo do tipo de bateria, poderá nem chegar aos 70% da sua capacidade nominal, dure a etapa o tempo que durar. Um painel solar de nada serve para quem tem o hábito de terminar as etapas ao fim do dia, ao pôr-do-sol. Se terminar a meio do dia, a bateria ainda estará muito longe da carga completa e não será um painel solar que completará a carga se o tempo estiver encoberto, ou se os dias forem curtos, ou se for verão e não resistir a uma boa sombra para estacionar a princesa.

Para que tenha uma melhor noção do que falamos, retenha que, se tiver 2 baterias de 80Ah cada e, numa noite, gastar 50% da capacidade, necessita percorrer no dia seguinte mais de 400Km, fora de auto-estrada, para atingir 90% da carga.

Sem recurso a painéis solares dependentes dos caprichos meteorológicos e da estação do ano, sem ter que se pôr a torrar ao sol no verão, sem ter que recorrer a geradores a gasolina dispendiosos, ruidosos e poluentes e sem ser forçado a ir para parques de campismo, existe uma pequena maravilha chamada ”booster”, que se adequa perfeitamente aos autocaravanistas praticantes do toca e foge.

O termo” booster” é utilizado por tudo e mais alguma coisa que potencie o que quer que seja. É banal encontrar-se um “booster” na secção de baterias das casas de acessórios de automóveis, cuja finalidade é, entre outras, a de ajudar uma bateria de arranque descarregada a pôr o motor a trabalhar. Há também o” booster” duma antena, o “booster” dum altifalante, etc., etc.

O nosso ”booster” é algo de completamente diferente.
O princípio de funcionamento assenta na mais refinada arte de enganar e vamos recorrer à analogia com a banda gástrica para melhor entendimento. A banda gástrica destina-se a enganar os sentidos de uma pessoa obesa, dando-lhe a sensação falsa do seu estômago estar cheio com a ingestão de pouca comida, levando-a assim a comer menos.

O que o nosso “booster” faz, é exactamente o contrário. Estando o estômago cheio, ele dá a indicação falsa de que só está meio, para que ponham mais comida na mesa. Em termos eléctricos, o “booster” informa o alternador de que a bateria de arranque ainda não está cheia (mentira) e por isso, deve continue a produzir energia em pleno. Como o alternador reduz a produção de energia quando a bateria de arranque está carregada e porque esta carrega numa fracção do tempo da bateria auxiliar, recorre-se a este ardil de dizer que ainda não está carregada, para que o alternador continue a produzir energia e com fartura, para que se processe a carga rápida da bateria (s) auxiliar (s).
 
Funcionalmente o “booster” é um conversor de carga DC/DC (1). É um carregador inteligente IU (3) ou IUOU (4), que recebe energia directamente do alternador e a entrega à bateria auxiliar com uma tensão >14V, via Electroblok (2) , se existir, proporcionando uma carga muito rápida mas com peso conta e medida, isto é, num regime de carga adequado aos diferentes tipos de baterias (Ácido, Gel ou Agm).
 
Se vier a decidir-se pela instalação de um “booster”, equipamento que não é nada barato, tenha em conta que terá que mandar substituir o cabo existente entre o alternador e a bateria auxiliar por um cabo mais grosso (16 ou 25 mm2), devido ao forte incremento da corrente de carga.

A maravilha é, dependendo do tipo de bateria, que baste circular durante uma hora ou pouco mais, para repor a energia consumida na noite anterior. Sem o “booster” são necessárias pelo menos 8 horas de viagem para repor esse consumo, além de que a carga nunca será completa e isso encurta a vida da bateria devido à sulfatação. Se alguma vez resolver ficar uns dias no mesmo sítio, basta dar uma pequena volta de vez em quando para recarregar as baterias.

 É rápido e barato. ACREDITE SE QUISER

Viajante

Links para alguns fabricantes:

 http://www.waeco.com/en/3410_1158.php
 http://www.sterling-power.com             
 www.buettner-elektronik.de           
 www.votronic.de

NOTAS TÉCNICAS:

(1) DC é uma abreviatura universalmente aceite do anglicismo Direct Current, que em bom português significa Corrente Contínua.

(2) ElectrobloK  é a designação alemã de Bloco Eléctrico e, aos mais completos, cabe fazer:

     - A distribuição da corrente contínua
     - A protecção dos diversos circuitos por meio de fusíveis e de disjuntores
      -A monitorização da voltagem (V) e da corrente (A) de todas as baterias e de todas as fontes de energia (alternador, painel solar e
        220V da rede.         
     - A regulação da carga da (s) bateria (s) auxiliar (s) de acordo com a curva IUoU (regime de carga em 3 fases), quando a         
        a autocaravana está ligada a 220V.
     - A gestão da energia, dos alarmes e dos diversos sensores.

(3) IU – Curva de carga com 1 fase de carga.

(4) IUOU – Curva de carga de acordo com norma DIN, com 3 fases:
    
Fase I - Fase de carga principal (bulK) em corrente constante e subida progressiva da voltagem até atingir 14,3V.
Fase U – Fase de absorção (absorption), com a duração de 1 a 8 horas conforme o tipo de bateria, sobre tensão constante (14,3V) e decréscimo progressivo da corrente.
       O – Ponto de comutação automática, temporizada, da fase de absorção para a fase de manutenção.
Fase U – Fase de manutenção (Float) com tensão constante (13,8V) e corrente constante (valor residual).

Nota: O alternador faz uma carga meramente linear (curva de carga W), adequada às baterias de arranque mas desadequada às baterias auxiliares.
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
Imprimir
 
Ir para: